BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

NOVO NORMAL: Salto alto estar deixando de ser sinônimo de poder

De olho na nova tendência comprovada em feiras da Europa, a empresária da rede Dona Mocinha, Ana Clara Gisbert, lança modelos que estão em alta junto ao público feminino

ASSESSORIA

24 de Outubro de 2020 às 09:06

Atualizada em : 25 de Outubro de 2020 às 16:00

Foto: Divulgação

A Revista Veja publicou uma matéria que mexe com a cabeça (E principalmente com os pés) da mulherada. 
 
Segundo a influente publicação nacional, o salto alto está perdendo espaço entre as mulheres.
 
Os mais incautos dirão que a mudança de hábito do público feminino é resultante do novo normal causado pela pandemia da covid – 19.
 
No entanto, o relaxamento da vaidade devido ao isolamento social imposto pela crise do novo coronavírus, não foi o único motivo para a mulherada descer do salto.
 
De acordo com a matéria de Veja em 2019, um ano antes, portanto do surgimento da doença que abalou o mundo, houve uma queda nas vendas de calçados desse estilo na casa dos 12% em relação ao ano anterior.
 
Neste ano, a situação se agravou conforme a consultoria americana NPD Group que estimou a baixa de 70% na comercialização desse tipo de artigo.
 
Conectada as tendências do mundo da moda, a empresária Ana Clara Gisbert, da marca Dona Mocinha, investiu numa coleção que busca atender os anseios da clientela. Em novembro, a rede inaugura mais três lojas – no Porto Velho Shopping, Rio Branco e Vilhena.
 
“Sapatos mais básicos estão fazendo o maior sucesso na atualidade”, reconhece à empreendedora, citando os lançamentos apresentados durante as famosas semanas de moda de Londres, Milão e Paris realizadas recentemente.
 
Ela ressalta que sapatos com bicos largos prometem fazer sucesso nessa nova temporada. “Como na moda tudo é dinâmico, não significa dizer que os saltos altos vão ser abolidos da preferência feminina”, ressalta Ana Clara. “O momento atual requer um chic confortável”, decreta a gestora do mercado calçadista. Os pés femininos agradecem.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS