NOSSA IMAGEM: Jornal americano destaca que o Brasil parece o pior lugar do mundo para Covid-19

O país é agora amplamente visto como o epicentro da pandemia, com o maior número de mortes diárias de qualquer nação

NOSSA IMAGEM: Jornal americano destaca que o Brasil parece o pior lugar do mundo para Covid-19

Foto: ILUSTRATIVA

 

A NPR, ou National Public Radio é um dos mais importantes veículos de comunicação dos Estados Unidos. A emissora tem histórico de percorrer o mundo levando histórias e análises sobre os mais diversos temas sociais. E nesta quarta-feira, 24, a NPR destaca em seu site, o pior lugar do mundo em relação a covid-19, o Brasil.
 
 
A reportagem, assinada por Philip Reeves, correspondente da NPR para América do Sul, mostra o drama enfrentado por prefeitos e governadores, que precisam lidar com um presidente negacionista que transformou o Brasil no pior lugar do mundo. 
 
O Brasil parece o pior lugar do planeta para a COVID-19
 
Cinthia Ribeiro sabia que tinha uma luta nas mãos quando o COVID-19 chegou em sua cidade natal no Brasil. O que ela não sabia era que, um ano depois, os humanos também estariam dispostos a matá-la.
 
Cinthia Ribeiro é prefeita de Palmas, capital do Tocantins, um pequeno estado situado entre a borda sudeste da floresta amazônica e o Cerrado, a savana tropical da América do Sul.
 
 
A nova onda de infecções que agora percorre a paisagem atingiu sua cidade, inundando hospitais com pacientes e elevando as taxas de ocupação da unidade de terapia intensiva para 96%.
 
O país é agora amplamente visto como o epicentro da pandemia, com o maior número de mortes diárias de qualquer nação. Na terça-feira, esse número ultrapassou 3.000 pela primeira vez, com 3.251 mortes registradas.
 
Profissionais de saúde atendem pacientes da COVID no pronto-socorro do hospital Nossa Senhora da Conceição em 11 de março. Em mais da metade dos 26 estados brasileiros, as taxas de ocupação da UTI atingiram 90% ou mais durante a pandemia. Silvio Avila / AFP via Getty Images
 
 
E nesta semana, as mortes de COVID-19 registradas no Brasil vão subir para mais de 300.000 – um número superado apenas pelos Estados Unidos. Ribeiro comenta com tristeza que esse número é quase igual ao da população de sua cidade.
 
Temendo que os sistemas de saúde locais entrassem em colapso e que houvesse muito mais mortes do que as várias centenas já registradas pelas autoridades municipais de Palmas, o prefeito Ribeiro tentou ganhar tempo.
 
 
Neste mês, ela colocou sua cidade sob o que ela chama de “bloqueio parcial”. Ela fechou as praias em sua jurisdição ao longo do lago de 106 milhas de comprimento e proibiu o público de visitar parques e cachoeiras. Supermercados, bares e restaurantes eram restritos apenas a entregas.
 
Então veio a reação
 
“Sofri ameaças reais e graves contra minha vida”, disse Ribeiro, 44, à NPR.
 
Ela diz que foi bombardeada com ameaças de morte em seu celular e plataformas de mídia social. Uma multidão se reuniu fora de seu bloco de apartamentos, gritando comentários abusivos. Pessoas passavam correndo em carros no meio da noite, atirando fogos de artifício no prédio.
 
Ribeiro acha espantoso que esses ataques, de quem ela diz serem extremistas de extrema direita, aconteceriam no meio de uma pandemia catastrófica.
 
“Estamos tentando salvar vidas! Estamos lutando contra uma crise de saúde”, disse ela. “Mesmo assim, nossas vidas também estão em perigo.”
 
As pessoas fazem fila para a vacinação COVID-19 em Duque de Caxias em 22 de março. Depois de declarar que nunca tomaria a injeção, o presidente brasileiro Jair Bolsonaro agora elogia os esforços de vacinação de seu ministério da saúde e afirma que o Brasil vai adquirir 500 milhões de doses este ano. Mesmo que seja verdade, isso é tarde demais, diz Margareth Dalcomo, médica respiratória e pesquisadora. / Fernando Souza / picture alliance via Getty Images
 
Sistemas públicos de saúde em ‘colapso’
 
Em mais da metade dos 26 estados do país, a taxa de ocupação de UTIs chega a 90% ou mais, de acordo com boletim divulgado em 16 de março pela Fiocruz. Os sistemas de saúde pública do Brasil estão “passando pelo pior colapso da história”, dizia.
 
Inúmeros relatos na mídia brasileira e nas plataformas das redes sociais de pacientes morrendo enquanto aguardavam por leitos, escassez de medicamentos e oxigênio e corpos sendo despejados em corredores de hospitais.
 
 
 
Uma vez admirado mundialmente por suas iniciativas nacionais de imunização rápidas e eficientes, o Brasil viu seu programa de vacinação COVID-19 atormentado por lutas políticas internas, erros burocráticos e problemas de abastecimento.
 
Até o momento, três vacinas COVID-19 foram autorizadas pelos órgãos reguladores de saúde do Brasil: – AstraZeneca, Coronavac e Pfizer. Menos de 7% dos brasileiros já tomaram uma dose.
 
“A situação é muito, muito preocupante”, diz Tedros Adhanom, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde. “O Brasil tem que levar isso a sério”.
 
No entanto, dizem os profissionais médicos, é mais fácil falar do que fazer.
 
Um presidente que arranca sua máscara
 
O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, fez 66 anos no último domingo.
 
Ele marcou a ocasião comparecendo a centenas de apoiadores que agitavam bandeiras do lado de fora do palácio presidencial que, sem nenhuma preocupação com o distanciamento físico, se reuniram para cantar “Parabéns” (os tradicionais parabéns de aniversário) e entregar a ele um bolo de aniversário decorado com o amarelo do Brasil e cores nacionais verdes.
 
Diante da multidão que aplaudia, Bolsonaro arrancou sua máscara facial e começou a criticar governadores e prefeitos que estão impondo restrições em vilas e cidades por todo o país.
 
“Alguns pequenos tiranos, ou tiranos, atrapalham a liberdade de muitos de vocês”, disse o capitão aposentado do exército.
 
Ele declarou que os brasileiros poderiam “contar com as Forças Armadas” para defender sua liberdade e democracia, inclusive o direito constitucional de livre circulação, sem explicar como os militares poderiam fazer isso.
 
“Eu farei qualquer coisa pelo meu povo!” ele declarou.
 
Este mês, Bolsonaro fez uma petição à Suprema Corte para impedir que três governadores imponham toques de recolher noturnos. Embora sejam normalmente aplicados de maneira superficial no Brasil, ele os chama de “estado de sítio”.
 
Ele não mais descarta o COVID-19 como “uma pequena gripe”. Mesmo assim, ele afirma que os bloqueios são mais prejudiciais do que o vírus, porque criam desemprego em massa. Isso “leva à depressão, violência, brigas, mortes e caos”, alertou seu público no Facebook Live.
 
No ano passado, seu governo evitou que a pandemia desencadeasse uma onda de pobreza ao fazer pagamentos emergenciais de US $ 110 por mês para mais de 65 milhões de brasileiros. Agora, enfrentando dívidas crescentes, cortou essa quantia para US $ 27 – muito pouco para sobreviver.
 
Bolsonaro prevê ainda mais problemas. “As lojas serão saqueadas, os ônibus serão incendiados, haverá graves distúrbios”, declarou.
 
Frustração e medo na comunidade médica
 
Os profissionais médicos e cientistas brasileiros estão observando seu presidente com desdém e alarme, e preocupados com o que acontecerá a seguir.
 
“O Brasil agora representa uma ameaça à saúde pública global”, diz o Dr. Pedro Hallal, coordenador do Epicovid-19, o maior estudo epidemiológico do coronavírus no Brasil.
 
 
Com o vírus fora de controle, ele acredita que o Brasil é um terreno fértil para mais variantes, que podem ser ainda mais letais e se espalhar para outros países.
 
“O vírus está circulando tão amplamente no Brasil que é possível, e eu diria provável, que novas variantes apareçam em um futuro próximo. Precisamos parar com isso urgentemente”, disse ele.
 
Hallal quer uma força-tarefa internacional, composta por governos, organizações de saúde e empresas farmacêuticas, para levar muito mais vacinas ao Brasil o mais rápido possível. Caso contrário, “os esforços globais para controlar o COVID-19 serão prejudicados”, diz ele.
 
A volta de Lula
 
Também está crescendo o consenso entre os escalões superiores do Brasil de que a forma como Bolsonaro está lidando com a pandemia é um desastre que está causando muitas mortes evitáveis ​​em casa e danos maciços à reputação no exterior.
 
Centenas de personalidades do mundo financeiro – incluindo ex-ministros e cinco ex-presidentes do Banco Central do Brasil – publicaram uma carta aberta criticando a conduta de seu governo.
 
Embora a carta não cite o nome de Bolsonaro, ela reclama que a “maior liderança política” do Brasil demonstra “desprezo pela ciência, busca remédios sem evidências de sua eficácia, incentiva multidões e flerta com o movimento antivax”.
 
Os signatários apelam a uma política de distanciamento social coordenada a nível nacional, incluindo: um bloqueio nacional, se necessário; um órgão coordenador do COVID-19 em nível federal, assessorado por cientistas e especialistas; máscaras grátis; e muito mais vacinas o mais rápido possível.
 
Somando-se à pressão sobre Bolsonaro está o retorno aos holofotes de seu principal adversário, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, universalmente conhecido como “Lula”.
 
 
Em 8 de março, um juiz anulou as condenações por corrupção de Lula, permitindo-lhe – pelo menos por enquanto – concorrer nas eleições do próximo ano. O carismático esquerdista de 75 anos anunciou seu retorno inesperado repreendendo Bolsonaro por sua “ignorante” resposta à pandemia e sendo vacinado na TV.
 
A maioria dos brasileiros parece ansiosa para seguir o exemplo de Lula: 84% querem ser vacinados, segundo pesquisa Datafolha publicada em 20 de março.
 
Mayane Brito, 32, enfermeira distrital, viaja por vilarejos remotos na Paraíba, no nordeste do Brasil, administrando vacinas. Ela diz que os pacientes idosos estão “rindo em seus olhos”, quando a vêem chegar. No entanto, não há vacinas suficientes e o quadro geral em sua área é “uma calamidade”, diz ela.
 
Depois de brincar que as vacinas podem “transformá-lo em um crocodilo” e declarar que nunca tomaria a injeção, Bolsonaro começou a mudar de terreno: ele agora anuncia em alto e bom som os esforços de vacinação de seu ministério da saúde e afirma que o Brasil vai adquirir “500 milhões de doses”. ano.
 
Mesmo que seja verdade, é tarde demais, diz Margareth Dalcomo, médica respiratória e pesquisadora da Fiocruz.
 
“Precisamos de vacinas agora! Temos que interceptar a transmissão desse vírus na comunidade. Já temos quatro variantes … responsáveis pela maioria dos casos em sete estados do Brasil. Este é um fato muito, muito preocupante. “
 
O Dr. Hallal expressa isso em termos mais rígidos: “Se não tivermos vacinas suficientes nos próximos 30 a 45 dias, a situação será terrível — não apenas para o Brasil, mas para o resto do mundo.”
 
Compartilhe
CategoriasGeopolítica
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS