BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

Coluna Momento Lítero Cultural

Por Selmo Vaconcellos

Por Selmo Vaconcellos

21 de Maio de 2020 às 14:42

Foto: Divulgação

QUAL  A  MENSAGEM  DE  INCENTIVO  VOCÊ  DARIA  PARA  OS  NOVOS  POETAS? -  I PARTE


REYNALDOVALINHO ALVAREZ – RIO DE JANEIRO, RJ.

Não tenho a pretensão de ensinar a ninguém o famoso "caminho das pedras". Cada um tem de encontrar sua direção e aprender como realizar seu destino e concretizar suas esperanças. Não existem receitas. O que serve para um pode ser um veneno para outros. O que se pode dizer, em termos muito genéricos, é que o estudo, a cultura, o rigor e a disciplina ajudam bastante, mas também não são tudo.

 

IVES GANDRA DA SILVA MARTINS - Que escrevam sempre. Não para impressionar aos outros, mas como necessidade.

 

HUGO PONTES - A todos aqueles que têm vocação para a escrita, minha recomendação é a de que devem ler muito. Quem não lê, não escreve.

 

THEREZA CHRISTINA ROCQUE DA MOTTA - Leiam muito, escrevam muito, corrijam-se muito, troquem poemas, escrevam, escrevam, escrevam, critiquem-se ao máximo, para aprender a reduzir tudo que têm a dizer ao mínimo e bem.

 

ANSELMO VASCONCELLOS- Escrevam como se rezassem.

 

PEDRO LYRA- Um breve e único, com tudo que ele implica; não desistir. Mesmo nas maiores adversidades, ele não desistirá, se tiver uma vocação forte e um grande talento. Sem esses dois requisitos, é melhor se dedicar a outra coisa.

 

ASTRID CABRAL- Diria o que digo a meus filhos. Cuidado com a arrogância. Há que ser humilde e trabalhar com afinco. Não se deixar engolir pelo maravilhoso mundo da imagem porque a linguagem da literatura é outra. Cuidado com os best-sellers recentes. Confiáveis são aqueles que atravessam os séculos. Distinguir qualidade de notoriedade. A mídia não serve como critério de julgamento. Conhecer nossa língua é fundamental. A flor do Lácio tem sido muito maltratada, despetalada por mãos apressadas e incompetentes. A invenção não exclui o respeito pela tradição. Há muito o que aprender com ela.

 

SONIA SALES- Leiam muito! A leitura proporciona ao poeta ou ao escritor o que ele mais necessita, escrever bem.


Quels sont les messages que vous donneriez aux nouveaux poètes?
JEAN-PAUL MESTAS FRANÇA - Sans bien sûr adopter le ton et la suffisance des parvenus habituels, je dirai aux nouveaux venus :
Patience, simplicité, modestie
Mais
Enthousiasme, volonté, application…
D’où :
Eviter les confusions, la poésie n’étant ni un instrument dominateur ni une arme mais
Une ouverture sur la vie
Un pacte avec les soifs de l’avenir.
JEAN-PAUL MESTAS - Sem estar bem certo de adotar o tom e a objetividade habituais, eu diria aos recém-chegados:
Paciência, simplicidade, modéstia,
Mas
Entusiasmo, vontade, dedicação...
Por fim:
Evitar as confusões. A poesia não pode ser nem um instrumento dominador nem uma arma, mas
Uma abertura para a vida
Um pacto com o anseio do futuro.

 

LEILA MÍCCOLIS - Não se atenham apenas à poesia romântica... Escrevam muito, ousem experimentar novas formas e formatos, leiam outros poetas, e não deixem de ler teoria literária também... ajuda a entender movimentos poéticos e propostas estéticas. Por fim, não ouçam os que aconselham você a parar de escrever, ninguém tem este direito. É através deste exercício de sensibilidade e crítica, que nos aprofundamos mais em nós mesmos e compreendemos melhor o outro.

 

GERALDO CARNEIRO - Escrevam sempre, porque é a melhor forma de combater a realidade, essa alucinação provocada pela falta de poesia.

 

GILBERTO MENDONÇA TELES- O que Baudelaire disse: “Tenho dó dos poetas que não conhecem a sua arte – eu os julgo incompletos”. Portanto: ler, estudar, aprimorar o seu conhecimento e, assim, a sua autocrítica.

 

JOÃO SCORTECCI - Ler, Ler e Ler. Depois escrever com o coração.

 

ANTONIO CARLOS SECCHIN - Leiam muito, para desfazer a ilusão de que estejam inventando a poesia.

 

CAIO PORFÍRIO CARNEIRO - Se tiver pendo para as letras, é ler bons autores e escrever sempre, embora não publique, para adquirir um estilo e um "como dizer" literário e pessoal. A arte literária é como qualquer arte: Infinita. Então estudá-la a vida inteira.

 

TERESINKA PEREIRAESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA - Escrevam o tempo todo que tenham livre. Escrever deve ser a principal ocupação, sua principal diversão, sua principal devoção. Depois devem reler o que escreverem e cortar tudo o que for repetição, tudo o que for desnecessário e a verbosidade ôca. Deixem no poema só o essencial e a mensagem lírica. Assim todos vão ler. Os leitores estão cada vez mais exigentes, não adianta chover no molhado. E para não repetir o que já foi dito, leiam tudo o que puderem evitando plagiar.

 

FLÁVIA SAVARY - Felizmente, escrever é uma atividade solitária, o que nos deixa à vontade para praticarmos incansavelmente nossa arte, até vê-la atingir o ponto de maturação (o mesmo não se aplica, por exemplo, aos cantores de chuveiro). Portanto, escreva bastante, pratique estilo e ideias próprias, ouse. E, claro, não deixe de ter sempre a seu lado, a companhia dos grandes - que não devem ser copiados, veja bem, apenas admirados. Aprenda, dos mestres, a paixão e a ourivesaria dessa atividade tão apaixonante.

 

SELMO VASCONCELLOS– Tá inspirado(a) ? Então escreva.
Enriqueça seu vocabulário lendo vários autores.
Aceite a crítica e a revisão de quem realmente entende.
FAÇA DOS  LIVROS  E DOS  PROFESSORES OS SEUS MELHORES AMIGOS.

 

Quels sont les messages que vous donneriez aux nouveaux poetes?
JACQUES CANUTFRANÇA - Agir avec discrétion et une grande confiance en son avenir?
Le considérer comme une terre inculte de laquelle par ses expressions, ses sentiments, ses pensées, donc par un travail assidu, on doit tirer les meilleures récoltes possibles: son originalité, son rythmr, son attrait.
JACQUES CANUT - Agir com discrição e uma grande confiança em seu futuro?
Considerá-lo como uma terra inculta da qual por suas impressões, seus sentimentos, seus pensamentos, portanto por um trabalho assíduo, devemos colher os melhores frutos possíveis: sua originalidade, seu ritmo, seu atrativo.

 

What incouraging message would you give to others writers?
KURT F. SVATEKÁUSTRIA - That’s difficult, because messages often do not go down well. I think a poet has to analyse and the question the society, but also to console the sad. He /she has to try to initiate social changes towards human understanding, love and compassion and universal brotherhood.
KURT F. SVATEK- Isso é difícil, porque as mensagens às vezes não são compreendidas corretamente. Acredito que um poeta tem que analisar os problemas da sociedade, mas também consolar a tristeza. Ele ou ela tem que tentar iniciar as mudanças sociais em direção ao entendimento humano, amor e compaixão e à fraternidade universal.

 

ROLANDO REVAGLIATTIARGENTINA - Que propendan a descubrirse, a cubrirse y a descubrirse, a renunciar a preconceptos apenas intuyan que los mismos lo son, que los mismos lo son para ellos –que no, acaso, para otros-, a abolir a ese que quisieran ser al tiempo que repudian al que son.

 

What incouraging message would you give to others writers?
DANAEGRÉCIA - Work, work, work and rad continuossly.
Before all : Humanism, Messages for Love, Peace and Solidarity.
DANAE– Trabalhe, trabalhe, trabalhe e continue incansavelmente. Por fim: Humanismo, mensagens de amor, paz e solidariedade.
 

Quels sont les messages que vous donneriez aux nouveaux poetes?
RAYMOND BATHBÉLGICA -  Il m’est difficile de donner des conseils qui vaille pour tous, vu les différences de tempéraments. Il est bon de regarder de tous les cotes pour s’en instruire et en tirer des méditations. Il faut regarder le mal en face, en prenant garde de ne pas se laisser séduire, ayant pris la décision de mieux le connaître uniquement dans le but de mieux le combattre.
En dehors de la violence physique, il y a la lutte en paroles tempérées par des règles morales.
Au commencement de tout, il y a la Parole.En choisant ses termes, elle est convaincante, elle determine l’action efficace. Pour ne pas infliger des blessures trop graves, trop profondes, elle peut avoir recours ( c’est un procede de “bonne guerre” ) à l’ironie, à la plaisanterie, à l’humour bon enfant. Faut-il pour autant se réserver à la poésie de combat ? Ils ne passeront jamis de mode les beaux sentiments, les délicatesses de language, l’exaltation de la beauté idéale. La poésie cérébrale touche rarement le coeur; elle est lassante; elle est passée de mode.
Peut-être faut-il prendre au sérieux une prophétie que l’on attribue à Malraux; “Le XXI siècle sera religieux ou ne sera pas!”. Encore faut-il la comprendre intelligemment, de la manière le plus large afin qu’elle soit universellement acceptable.
RAYMOND BATH - Para mim é difícil dar conselhos que valham para todos, consideradas as diferenças de temperamentos. É bom olhar para todos os lados para se instruir e para meditar sobre o que se vê. É preciso olhar o mal de frente, tomando cuidado de não se deixar seduzir, tomando a decisão de melhor conhecê-lo unicamente com o objetivo de melhor combatê-lo. Fora da violência física, há a luta em palavras temperadas por regras morais.
No princípio de tudo, há a Palavra. Escolhendo seus termos, ela é convincente, ela determina a ação eficaz. Para não causar feridas graves demais, profundas demais, ela pode recorrer (é um procedimento de “boa guerra”) à ironia, ao elogio, ao humor de bom menino. É preciso, para isso, se apegar à poesia de combate? Jamais sairão de moda os bons sentimentos, a delicadeza da linguagem, a exaltação da beleza ideal. A poesia cerebral raramente toca o coração; ela é cansativa;ela está ultrapassada.
Talvez seja necessário levar a sério uma profecia que se atribui à Malraux:”O século XXI será religioso ou não existirá!” É preciso ainda compreendê-la inteligentemente, de maneira mais ampla, para que ela seja universalmente aceita.

 

CLAUFE RODRIGUES - Leiam. Escrevam. Rasguem. Reescrevam. Publiquem.

 

What incouraging message would you give to others writers?
ADOLF P.SHVEDCHIKOVRÚSSIA - Be aware. Look around, take it all in. You are like a tape recorder. Go with your feelings. Believe in miracles and in your talent! All that truly matterslies within you. When your strength is running low, take a deep breath, it calms the mind. Try again!
ADOLF P.SHVEDCHIKOV – Esteja atento. Olha em volta, absorva tudo. Você é como um gravador. Siga seus sentimentos. Acredite em milagres e em seu talento! Tudo que realmente importa está dentro de você. Quando sua força estiver baixa, respire fundo, isso acalma a mente. Tente outra vez!

 

DENISE EMMER - Escrevam poesia.

 

ILDÁSIO TAVARES – Leiam mais que escrevam. Escrevam mais que publiquem.

 

ANTONIO CICERO - Façam o que depende de vocês: leiam muito, escrevam muito, corrijam muito, cortem muito e publiquem apenas o que acharem que está realmente bom. O resto não depende de vocês.

 

EDUARDO TORNAGHI- Vai fundo! Se expressar demanda coragem, mais que se imagina, portanto escreva até chegar ao ponto em que seja natural tocar o mistério. A verdadeira expressão, a que vale realmente à pena, sempre nos provoca um certo medo e vergonha, já que revela. Antes disso ainda estamos arranhando a superfície. Enfrentar esse medo é que nos liberta.

 

Quels sont les messages que vous donneriez aux nouveaux poètes?
ARLETTE CHAUMORCELFRANÇA - Je n’ose pas donner de messages aux nouveaux poètes, les messages risquant d’être interprétés comme des conseils, mais je m’accorde le droit de transmettre ce que me confiait Pierre Seghers avant de mourir :«Va vers autrui, puis entre en toi et là ... travaille travaille travaille... »
ARLETTE CHAUMORCEL - Não ouso deixar mensagens aos novos poetas, as mensagens correriam o risco de ser interpretadas como conselhos, mas me dou o direito de transmitir o que me dizia Pierre Seghers antes de morrer: “ Vá em direção ao outro, depois entre em você e aí … trabalhe, trabalhe, trabalhe...”.

 

Quels sont les messages que vous donneriez aux nouveaux poètes?
ANDRE PERAGALLOFRANÇA - Toute création est un acte d’amour, de communication, de communion, et de partage avec les autres. C’est à cela qu’il faut penser quand on écrit.
ANDRE PERAGALLO - Toda criação é um ato de amor, de comunicação, de comunhão e de partilha com os outros. É nisso que devemos pensar quando escrevemos.

 

TAVINHO PAES - Que encontrem suas musas o mais rápido possível, mesmo que elas sejam pura ilusão!

 

ROSEANA MURRAY - Que encontrem a sua voz.

 

SÉRGIO DE CASTRO PINTO– Gostaria de dizer que os arroubos da juventude são sempre bem-vindos, como também a soberba desmedida dos jovens, virtudes sem as quais muitos teriam se extraviado nos caminhos sempre tortuosos e íngremes da poesia. A perseverança, hoje, talvez seja o vocábulo mais exato para substituir as efusões da minha juventude perdida. Perdida? Não, pois creio que, de alguma forma, ela permanece na minha devoção à palavra, na minha profissão de fé na poesia. É isto que desejo aos jovens poetas. Que eles, daqui a algum tempo, possam acreditar na poesia como eu acredito ainda hoje.

 

RICARDO RAMOS FILHO– Que mesmo antes de pensarem em escrever procurem ler. O escritor precisa ler, ler muito, ler mais do que qualquer coisa. O escritor Raduan Nassar, outro que admiro bastante, disse certa vez que sempre, antes de escrever, procurava ler um bom texto. Aquilo servia como aquecimento, permitia que entrasse no clima adequado para produzir. Não acredito em poetas que não leem poesia, contistas que não leem contos, e assim por diante. Não há melhor conselho para quem quer escrever que não seja esse: leiam muito!

 

ARACELLI  OTAMENDI –ARGENTINA - Para los nuevos escritores, los que emprenden la ardua tarea de escribir, les digo que escribir no es sólo trabajo de un día, se necesita inspiración y mucho trabajo, mucho empeño y también leer mucho a grandes escritores y a los escritores que nos gustan, que nos da placer leer.  Y también, como decía Picasso, la inspiración llega pero debe encontrarte trabajando.

 

TANUSSI CARDOSO– Primeiramente, deverão saber das dificuldades inerentes a todos os poetas, iniciantes ou não: problemas de publicação, de livros caros, de falta de divulgação, de falta de abertura na mídia para autores desconhecidos, de distribuição, etc. A internet, de certa forma, libertou a leitura para que chegasse mais perto do leitor. Hoje, com a internet, qualquer um pode publicar seus textos, sem qualquer censura ou temor, a não ser a sua própria capacidade para discernir sobre se a sua obra é realmente digna de ser divulgada ou não. Isso trouxe o dilema – igualmente velho e tedioso – da quantidade X qualidade. O que não é culpa da internet, é claro. Entendemos que os caminhos são tortuosos e penosos, mas temos de fazê-los prazerosos.

Ler é inventar, criar, e, sobretudo, ensinar a questionar. Todo o escritor tem compromisso com a luta para distribuir o prazer da leitura a todos os que necessitarem de ler, ou seja, de saber. Como costumo dizer, a luta dos jovens escritores é a mesma de sempre. Se ele acreditar no seu texto, é levá-lo a um editor, de preferência com uma carta de apresentação de algum escritor. E rezar para que o editor se debruce sobre o seu livro, diante das centenas que ele recebe mensalmente. E que ele goste do seu texto. Mas, antes de tudo, há que se ter consciência do seu trabalho, através da leitura dos bons poetas contemporâneos, e, principalmente, dos clássicos. Saber que um bom poeta não é mero fazedor de versos, é muito mais do que isso, e a essa conclusão só se chega ao escrever, escrever, escrever, como exercício diário de aprimoramento, aprendendo a retirar excessos, gorduras, clichês, obviedades. É uma eterna construção, o poeta. Até que aquelas “muitas vozes” de que falei acima, consigam ser a sua própria voz, terem a sua própria dicção.

Enfim, persistência, acreditar no seu ofício. Nunca desistir. Mas, que encontrem prazer nisso tudo, alegria, senão nada valerá a pena. Ser poeta é um ofício: requer leitura, disciplina, organização, técnica, versatilidade, trabalho e treinamento.

 

USSUMANE GRIFOM CAMARÁ –GUINÉ-BISSAU - Muita leitura, muita leitura. Permita-me dirigir essencialmente aos novos escritores da Guiné-Bissau. Todos nós sabemos da actual conjuntura, não é nada fácil escrever onde o conhecimento é posto em 5º ou 10º plano mas mesmo assim vamos persistindo, escrevendo e sempre. A única maneira de preservar a história e a memória de qualquer povo ou nação é escrevê-la, seja ela em poesia, romance, contos etc. A nossa geração – djorson di polon di Brá (Geração de Poilão de Brá) como nos apelida o sociólogo Miguel de Barros, sabe vencer as dificuldades. Já deu provas de que consegue erguer das cinzas e construir o seu espaço próprio por isso aconselho muita dedicação e disciplina só ela, a disciplina, é a força de qualquer sucesso.

 

TÂNIA GABRIELLI-POHLMANN – ALEMANHA - O que posso dizer aos iniciantes? Que leiam muito e de tudo, sem preconceitos. Que exercitem o mergulho profundo em si mesmos, nos seus desvarios metafóricos em confronto com o concreto risco do estar vivo. Que releiam os clássicos de tempos em tempos. Que não se isolem nos pedestais ilusórios a que muitos se entregam. E que invistam um pouco de seu tempo àqueles que infelizmente não tiveram a oportunidade de frequentar uma escola.

 

Quels sont les messages que vous donneriez aux nouveaux poètes?

EVE CAZALA – FRANÇA - Je crois que je dirai simplement : « ne vous taisez pas  ».

Au nom de Victor Jara, de Federico Garcia Lorca, de Lounès Matoub…, de tous ceux qui ont écrit, parfois au prix de leur vie, ne vous taisez pas.

EVE CAZALA – Creio que eu diria simplesmente: "não se cale".

Em nome de Victor Jara, de Federico Garcia Lorca, de Lounès Matoub..., de todos aqueles que escreveram, às vezes ao preço de suas vidas, não se cale!

 

TOMMASO SQUILLACE – ITÁLIA - Prometi-me a compor um poema para eles sobre este assunto: vou conseguir, enquanto isso, uma mensagem a cada um dele:

Lembre-se de que você já é Campeão, Campeão escolhido pela voz do Universo para espalhar a Eternidade. 

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS