BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

VALORES: Tarifa média da aviação brasileira é de R$ 294 no 2° Trimestre de 2020

O valor teve redução de 34,3% em comparação com o mesmo período de 2019

MERCADO E EVENTOS

08 de Setembro de 2020 às 14:27

Atualizada em : 08 de Setembro de 2020 às 14:29

Foto: Divulgação

 

MERCADO E TURISMO - A tarifa média doméstica da aviação comercial brasileira foi de R$ 294,02 durante o segundo trimestre, de acordo com dados revelados pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). O valor teve redução de 34,3% em comparação com o mesmo período de 2019, quando a média praticada foi de R$ 448,65. A Anac informa ainda que, em percentual, foi a maior redução registrada no segundo trimestre desde 2009.
 
No acumulado do 1º semestre do ano, o preço médio da tarifa doméstico ficou em R$ 353,12, redução de 14,9% com os valores registrados no mesmo período de 2019, quando a tarifa média foi comercializada por R$ 414,71. O período permaneceu sob forte impacto no setor aéreo provocado pela pandemia do novo coronavíru, informa a Anac.
 
Por conta deste cenário, desde março, as empresas aéreas reduziram drasticamente a oferta de voos. De abril a junho deste ano, a Latam reduziu a sua oferta de voos domésticos em 90,2%, enquanto a Gol e a Azul diminuíram em 89,9% e 81,4%, respectivamente, em comparação com o mesmo período de 2019. Os dados de julho deste ano mostram uma leve retomada, com oferta de voos no mercado doméstico 76,3% menor na comparação com o ano anterior.
 
De abril a junho deste ano, 12,6% das passagens foram comercializadas com tarifas aéreas abaixo de R$ 100,00 e 56,9% abaixo de R$ 300,00. As passagens acima de R$ 1.500,00 representaram 0,9% do total.
 
Entre as principais empresas brasileiras, que representaram 99,7% da demanda por transporte aéreo doméstico de passageiros, a Latam teve redução de 38,9% na tarifa aérea média doméstica no 2° trimestre deste ano em comparação com o mesmo período de 2019. Gol e Azul também apresentaram redução no indicador, da ordem de 36,7% e 25,5%, respectivamente.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS