APROVADO: Câmara Municipal promulga três projetos de leis da vereadora Ellis Regina

Segundo a vereadora, os três projetos são de grande importância, pois terão impacto social e salutar na vida de crianças e adultos

APROVADO: Câmara Municipal promulga três projetos de leis da vereadora Ellis Regina

Foto: Divulgação

A edição da última quarta-feira 29.09 do Diário Oficial dos Municípios traz o ato de promulgação de três projetos de leis da vereadora Ellis Regina, e que agora estão transformados em Leis municipais. 
 
Lei nº 2.855, de 17 de setembro de 2021 (Projeto 4054/2020) - O primeiro projeto promulgado é o que prevê a disponibilização obrigatória de carteiras-bicicletas para crianças com hiperatividade e déficit de atenção, na rede pública e particular, da pré-escola ao ensino fundamental no município de Porto Velho e dá outras providências; 
 
Lei n° 2.856, de 17 de setembro de 2021 (projeto 4055/2020) – Institui a obrigatoriedade de manutenção de desfibrilador cardíaco externo automático, em locais públicos com grande concentração e circulação de pessoas, como supermercados, shoppings, igrejas, embarcações, casas noturnas, aeroportos, clubes e academias, dentre outros. 
 
Lei n° 2.857, de 17 de setembro de 2021 (Projeto 4056/2020) - Institui uma campanha permanente contra o bullying infantil e pedofilia no município de Porto Velho, através de ações de conscientização; também autoriza o Município a celebrar convênios com instituições públicas e privadas, inclusive com fornecimento de material gráfico e participação de profissionais capacitados nesta temática. 
 
Segundo a vereadora, os três projetos são de grande importância, pois terão impacto social e salutar na vida de crianças e adultos. “As carteiras bicicletas e a campanha de bullying são para salvaguardar nossas crianças em idade escolar. Não são gastos, mas sim investimentos em nossos alunos que podem dar a eles melhoria na qualidade de vida dentro do ambiente de escola”, ressaltou. 
 
Quando defendeu a aprovação do projeto em plenário, a vereadora lembrou que o projeto não cria despesas para a Prefeitura (o que o tornaria inconstitucional), pois anualmente, a Câmara Municipal aprova no Orçamento, recursos para o setor de marketing e propaganda da Prefeitura. São esses recursos que devem ser utilizados na campanha de conscientização prevista em Lei. 
 
Quanto ao desfibrilador, a vereadora ressalta a grande mortalidade de pessoas por infarte, situação que, em muitos casos, poderia ser contornada caso houvesse no local, um aparelho que possa dar sobrevida ao paciente até a chegada de ajuda médica. “A vida não tem preço. Pequenos investimentos pontuais na saúde pública resultam na salvação de inúmeras vidas”, observou
Direito ao esquecimento

Em qual supermercado você prefere fazer suas compras?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública.

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS