BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

VEREADORA: Ellis Regina votou contra projeto que aumenta alíquotas da Contribuição Assistencial do IPAM

O essencial é que no tempo de pandemia, nada fosse retirado do contracheque dos servidores neste momento

Assessoria

18 de Dezembro de 2020 às 12:22

Atualizada em : 18 de Dezembro de 2020 às 14:58

Foto: Divulgação

A vereadora Ellis Regina (Podemos) votou contra a aprovação do Projeto de lei Complementar nº 1122/2020, que aumenta de 11% para 14% a alíquota da previdenciária do Instituto de Previdência do Servidor Público Municipal (IPAM). O projeto é de autoria do Executivo Municipal e foi aprovado esta semana durante sessão em videoconferência. 
 
Em sua justificativa de voto, a vereadora ressaltou a intempestividade do aumento, em época de pandemia. Segundo ela, o aumento foi proposto sem a devida participação dos trabalhadores, que são os maiores interessados na questão, uma vez que o instituto é mantido com dinheiro do servidor público municipal. “O servidor deveria ter sido consultado e opinado sobre o aumento”, disse Ellis. 
 
“O essencial é que no tempo de pandemia, nada fosse retirado do contracheque dos servidores neste momento.  Não dá para aceitar esse aumento a toque de caixa sem que os trabalhadores tenham voz ativa. Precisamos saber de que forma foram feitos esses cálculos atuariais que levaram o município a rever o valor dessa alíquota”, questionou a vereadora.
 
Segundo Ellis Regina, que também é presidente do Sindicato que representa o servidor municipal (Sindeprof), há outros dois projetos relativos ao IPAM e que estão em vias de votação na Câmara Municipal: o PLC 1124/2020, que aumenta de 7% para 9% a alíquota assistencial e o 1126/2020, que cria cargos fixos, alterando o PCCS dos servidores do instituto. 
 
“O aumento das alíquotas denota que o Instituto precisa melhorar sua arrecadação para custear seus fundos. Então era necessário fazer economia de gastos. E porquê então criar mais cargos fixos e com altos salários se o instituto aparenta estar sem condições financeiras?”, questionou.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS