BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

DINHEIRO NO SACO: Lebrão é autor do projeto que criou o Código de Ética e Decoro da ALE/RO

De acordo com a PF, Lebrão utilizou um carro oficial da ALE/RO para receber propina

Rondoniaovivo - João Paulo Prudêncio

22 de Outubro de 2020 às 15:18

Atualizada em : 23 de Outubro de 2020 às 08:40

Foto: Divulgação

O processo de cassação do mandato do deputado José Lebrão segue tramitando na Assembleia Legislativa do Estado de Rondônia – ALE/RO. Nesta semana a Casa de Leis instituiu a criação do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar que irá deliberar sobre o tema. 
 
O Conselho tem como presidente o deputado Ismael Crispim (PSB) e na vice-presidência o deputado Edson Martins (MDB), que é do mesmo partido de Lebrão. 
 
Esse conselho terá como finalidade verificar se Lebrão feriu o Código de Ética da Casa, vale ressaltar que foi o próprio Lebrão que no ano de 2015 que apresentou na Assembleia Legislativa o projeto de resolução criou o Código de Ética e Decoro Parlamentar.
 
Segundo o presidente Laerte Gomes, a Assembleia está cumprindo com seu dever constitucional.
 
A investigação
 
De acordo com a Polícia Federal, Lebrão utilizou um carro oficial pertencente a ALE/RO para ir até a sede de uma empresa em Jí-Paraná onde foi filmado recebendo dinheiro de propina e colocando dentro de um saco de lixo. 
  
Ainda segundo as investigações da Polícia Federal, ele se reuniu em um restaurante com sua filha, a prefeita de São Francisco do Guaporé, Gislaine Lebrinha e um empresário do ramo de tratamento de lixo. 
 
Lebrão teria cobrado do empresário o valor de R$ 2 milhões para a concessão de um contrato com o município, por fim, o acordo final ficou em R$ 1,5 milhão em quinze parcelas de R$ 100 mil em espécie.
 
Porém, o que o deputado e sua filha não esperavam era que todo o dinheiro da propina entregue a ele havia sido digitalizado pela Polícia Federal, nota por nota. No dia da operação, agentes da PF encontraram parte dessas notas no forro da cozinha da casa de Gislaine Lebrinha, que está presa em Porto Velho. 
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS