BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

Jean Oliveira impede mais taxação a produtos agrotóxicos no Estado

Jean Oliveira impede mais taxação a produtos agrotóxicos no Estado

Da Redação

19 de Dezembro de 2017 às 17:50

Foto: Divulgação

O deputado Jean Oliveira, em sessão da Assembleia Legislativa, na semana passada,  foi a tribuna para defender sua posição contrária  a   implantação   de mais  taxas como método de controle de agrotóxicos no Estado, como estabelecia  o Projeto de Lei apresentado pelo Executivo que altera dispositivo da Lei 1841 de 28 de dezembro 2007 que dispõe sobre produção, comercialização, transportes , armazenamento e uso de agrotóxico e componentes afins e revoga a Lei 1017 de 20 de novembro 2001.

Para  barrar a  taxação, em defesa do setor produtivo, o deputado  apresentou emenda ao Projeto de Lei original suprimindo o inciso 8 e 9  que  tratava  da Guia de Autorização de Importação de Agrotóxico de 1 (uma) UPF a cada 100 cem litros, acrescentar meia UPF se o agrotóxico for de 50 litros.

Em defesa do Projeto de Lei original o deputado Lazinho da Fetagro  disse  que o pequeno produtor não seria atingido porque compra em pequena quantidade no comércio . “ A preocupação do projeto é com quem importa ,  que compra grandes quantidades, essa é a preocupação. O  produtor  de Rondônia importa  uma quantidade irrisória. Quando você não paga nada de importação , como está querendo a emenda , o Idaron não vai ter controle de guia nenhuma , não vai  saber nada  do que entra, do que sai em grande quantidade”, disse Lazinho.

 Jean Oliveira  disse  não acreditar  que com a criação de uma taxa  se vai fazer  qualquer  tipo de controle. Inclusive apontou método de como se poderia fazer o controle.  “Na hora que se faz a compra do agrotóxico  se emite  nota fiscal.  Tem que cruzar a Receita Estadual com o Idaron. Somente isso”,  disse o deputado.

Quanto a taxação não atingir o pequeno produtor, o deputado Jean Oliveira disse que o deputado Lazinho estava equivocado e disse porquê. “  Todo agrotóxico comercializado em Rondônia é importado. Porque não se fabrica agrotóxicos  em Rondônia . Então, se o plantador de soja compra direto da indústria é uma coisa, mas qualquer produtor que compra da loja, a loja negocia com a indústria. A indústria vai ser taxada,  vai repassar pro comércio e o comércio vai repassar pro produtor”, disse o parlamentar

Aprofundando sua tese o deputado Jean Oliveira  disse que  “todos os agrotóxicos são importados , a não ser aqueles ‘fundo quintal’ que é justamente o que o Idaron quer combater. A partir do momento que aumentar o preço do agrotóxico vai começar a clandestinidade. Quanto maior a taxação, mais caro o produto  fica, mas inacessível ele se torna e aí começa a clandestinidade, que o barato é o clandestino, é o boliviano, o paraguaio”, alertou o deputado.

Depois de feitas as defesas teve a votação que aprovou a emenda do deputado Jean Oliveira. O deputado Lazinho da Fetagro depois de vencida sua proposta  disse que a emenda  descaracterizava o Projeto de Lei original. Jean Oliveira disse que mesmo sendo do PMDB isso não o  impede,  de consertar , para melhorar,  as propostas enviadas pelo Executivo.  “A nossa proposta  não prejudica o projeto , só valoriza o nosso produtor . Dando o merecido  apoio ao setor produtivo que é base da economia do Estado”, disse  Jean Oliveira.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS