BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

VILHENA: Após 800 casos confirmados de dengue, prefeitura amplia 'fumacê'

A aplicação será feita em dois períodos, das 5h às 7h da manhã e das 17h às 19h30

vilhenanoticias

02 de Junho de 2020 às 08:59

Foto: Divulgação

 

VILHENA NOTÍCIAS - O Setor de Endemias da Secretaria Municipal de Saúde (Semus) de Vilhena realiza mais uma aplicação de inseticida contra o mosquito Aedes aegypti no município a partir desta terça-feira, 2 de junho. A ação acontece em parceria com o Governo do Estado, que disponibilizou dois veículos equipados para aplicação do produto em 31 bairros.
 
A aplicação será feita em dois períodos, das 5h às 7h da manhã e das 17h às 19h30, nos seguintes bairros: Centro, São José, Jardim Vilhena, Santo Antônio, Ipanema, Bela Vista, Bodanese, São Jerônimo, Marcos Freire, Residencial Solar Vilhena, Jardim Social, Jardim Universitário, Cidade Nova, Parque Cidade Jardim, Cristo Rei, Residencial Florença, Residencial Alphaville, Residencial Alvorada, Residencial Orleans, Barão do Melgaço I e II, Alto dos Parecis, Setores 12 e 13, Embratel, Setor Zico, Parque Industrial São Paulo, Jardim Vitória, Assossete, Alto Alegre e Nova Jerusalém.
 
De acordo com técnico em saúde pública Paulo Cremasco, no início de abril 16 bairros do município com maior incidência da doença já foram beneficiados com a iniciativa. O técnico explica que após esta aplicação o crescimento do número de casos no município foi reduzido. Mesmo assim, segundo dados do setor de endemias, em 2020 Vilhena já tem 1.370 casos notificados de dengue e cerca de 800 casos confirmados, além de quase 900 notificações de zika e chikungunya, também transmitidas pelo Aedes. Por isso, a aplicação deste mês será ampliada para 31 bairros.
 
Cremasco diz que o inseticida é importante para o controle do inseto, mas que o produto mata apenas o mosquito adulto. Assim, a conscientização dos moradores é vital para eliminar possíveis criadouros do mosquito dentro dos quintais, visto que, segundo o Setor de Endemias, 82% dos locais de reprodução do mosquito em Vilhena estão dentro de casas habitadas.
 
“Um mês depois da primeira dedetização no Centro, a região registrou 20 novos casos de dengue. Isso demonstra que os criadouros do mosquito não foram completamente eliminados. Por isso, pedimos a ajuda da população, especialmente neste momento da pandemia do novo coronavírus, pois os agentes de saúde continuam fazendo as visitas, mas evitam entrar nos quintais para fiscalizar. O trabalho dos profissionais tem sido de orientação e conscientização”, diz Cremasco.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS