PIMENTEIRAS D'OESTE: Críticas à falta de barreira por conta de Coronavírus são rebatidas

"É preciso entender que a ação não pode fazer o trabalho de ‘detenção’ dos moradores, e sim orientação"

PIMENTEIRAS D'OESTE: Críticas à falta de barreira por conta de Coronavírus são rebatidas

Foto: Divulgação

 

FOLHA DE VILHENA - Após surgirem rumores de que a cidade de Pimenteiras havia ‘relaxado’ seu controle sobre os casos de Covid-19, retirando barreiras e permitindo fluxo de pessoas normalmente, a Coordenadoria de Vigilância Epidemiológica se pronunciou na tarde da última quarta-feira (20 de maio). A enfermeira e responsável pelo setor, Sabrina M., afirmou: “seguindo os Decretos em vigor, do Estado e do município, não há fundamento legal para que os munícipes que não tenham sintomas sejam impedidos de circular”.
 
A confusão começou quando moradores da cidade de Cerejeiras teriam comentado sobre a falta de controle a respeito dos populares que saem de Pimenteiras e Corumbiara. Alguns chegaram a relatar que o município estaria ‘lotado’, pois os viajantes das regiões próximas usam Cerejeiras como polo para movimentação financeira. Isso porque a cidade conta com bancos, que não estão disponíveis nos municípios dos arredores.
 
A Coordenadoria de Pimenteiras afirmou que na cidade há o cronograma de serviços que envolve a barreira. No entanto, é preciso entender que a ação não pode fazer o trabalho de ‘detenção’ dos moradores, e sim orientação. Somente em casos de suspeita por contaminação, a pessoa é notificada e precisa ser acompanhada pela equipe médica.
 
No momento, o acompanhamento às famílias e da cidade se mantém firme, para evitar a disseminação do vírus entre os populares e outras cidades do entorno. A cidade conta atualmente com cinco famílias monitoradas diariamente, cinco casos descartados e apenas dois suspeitos. Todos têm orientações para manterem-se em isolamento, e nenhum risco posterior foi identificado nos demais moradores.
 
Em Pimenteiras, todos os cuidados estão sendo tomados. “Toda população é orientada constantemente a procurar a vigilância epidemiológica ou qualquer serviço de saúde ao surgimento de sintomas de gripe para que possamos monitora-los e implementar as demais medidas necessárias de acordo com cada caso”, comentou Sabrina Mathias.
 
“A partir do surgimento de sintomas de síndrome gripal esses pacientes são isolados e só podem retornar as atividades normais a partir da liberação por parte dos profissionais que os acompanham, sob pena de responder na justiça caso haja quebra do isolamento”.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS