ESPAÇO ABERTO: CPI da Covid pode influenciar eleição em Rondônia ano que vem

ESPAÇO ABERTO: CPI da Covid pode influenciar eleição em Rondônia ano que vem

Foto: Divulgação

CPI
 
A Comissão Parlamentar de Inquérito criada no Senado para investigar as ações e omissões do Governo Federal no combate a pandemia, além de repasses
federais a estados e municípios, terá reflexos direto nas eleições do ano que vem, independente dos resultados que forem obtidos. 
 
RESPONSABILIDADE
 
Se ficar comprovado que Jair Bolsonaro desdenhou à gravidade da doença e não cobrou ações rígidas de seus ministros para conter o vírus, o relatório final da CPI poderá sugerir o impeachment dele. Decisão que terá que ser tomada pela Câmara dos Deputados.
 
RESPONSABILIDADE 2
 
Outro detalhe importante será a conclusão final sobre a aplicação do dinheiro enviados aos estados e municípios. Se houver comprovação de negligência por parte de todos os entes, além de Bolsonaro, governadores e prefeitos também poderão ser afetados.
 
RESPINGO
 
Em Rondônia, os deputados federais e estaduais são cautelosos ao comentar o assunto. Mas é muita clara a divergência de opiniões entre esquerda e direita. E nem poderia ser diferente. A questão é o peso disso na eleição do ano que vem.
 
VANTAGEM
 
O senador Marcos Rogério, candidatíssimo ao governo em 2022, já contava com meio caminho andado, caso tivesse conseguido ser relator da CPI. Tentou articular de todas as formas, mas não emplacou.
 
CANDIDATO
 
Correligionários dele garantem que isso não mudou em nada a postura para o pleito do ano que vem. “ Marcos Rogério não perde nada e ainda fortalece o nome se não vencer a eleição”, garante um filiado do DEM que ocupa cargo público no município.
 
NORMAL
 
Parece uma afirmação óbvia, mas não é. A onda Bolsonaro já passou e quem não tiver um discurso muito convincente ou apresentar algo que faça ganhar a confiança do eleitor, pode já ir se preparando para achar o que fazer em 2023.
 
DIFERENÇA
 
Isso que escrevi não tem nada a ver com prever derrota de Bolsonaro. É óbvio que não sei quem vai ganhar a eleição, agora é preciso ser sensato para analisar que em 2022 não haverá avalanche Bolsonarista para tirar do ostracismo e da insignificância quem assim deve permanecer. 
 
IMPREVISÍVEL
 
Conversei com alguns parlamentares de Rondônia sobre essa questão da CPI da Covid. A pergunta foi somente uma: a CPI pode influenciar na eleição do ano que vem e de que forma? Eis algumas explicações.
 
CORONEL CHRISÓSTOMO
 
O deputado federal pelo PSL diz que a CPI é para atingir o Presidente da República. Se o trabalho for sério, Chrisóstomo diz que quem realmente vai ser atingido pelas investigações serão os governadores que não teriam aplicado corretamente os recursos do Governo Federal para o combate ao coronavírus.
 
EYDER BRASIL
 
O deputado estadual, também pelo PSL, acredita que a CPI do Senado pode sim influenciar, e acredita que fará essa influência em todo o Brasil, e em Rondônia não será diferente. “ Cabe ressaltar que para entendermos essa afirmação, devemos iniciar percebendo que temos um Senador, possível candidato ao governo como membro dessa Comissão. Além do mais, os outros dois senadores são integrantes de partidos políticos que sempre participam da eleição majoritária aqui em Rondônia”, argumenta Eyder. 
 
LÚCIO MOSQUINI
 
O deputado federal pelo MDB acha que a CPI é inoportuna, poderia até ser necessária, mas não agora. Na visão de Mosquini, a Comissão é um ato político e vai causar um transtorno grande porque vai gerar uma instabilidade no País. O momento é de se unir e combater a pandemia e não se envolver em uma CPI que não se sabe até onde poderá chegar, explica o deputado.
 
JAQUELINE CASSOL
 
A deputada federal do PROGRESSISTAS diz que ainda é cedo para avaliar os impactos que a CPI da Covid terá, e se terá, nas próximas eleições. Disse que é preciso aguardar as investigações e se forem apontados culpados aí sim será possível avaliar o quanto isso poderá implicar na eleição estadual.
 
SILVIA CRISTINA
 
A deputada federal pelo PDT afirma que hoje a população está atenta a todos os atos políticos, quem por ventura tiver envolvido em alguma situação indevida, com recursos para o combate à Covid 19, será penalizado e não será eleito caso dispute eleição. 
 
DISPUTA
 
Nesse exato momento, o cenário que se vislumbra para Rondônia envolve quatro nomes praticamente já garantidos na disputa. Governador Marcos Rocha, prefeito Hildon Chaves, senador Marcos Rogério e o ex-governador Daniel Pereira.
 
PREPARAÇÃO
 
Falando em Daniel Pereira, ele já tem intensificado contatos com correligionários em todo o estado. O nobre ex-governador acredita que o Solidariedade, do qual é presidente regional, fez um bom trabalho na eleição de 2020 em Rondônia.
 
FORTALECIMENTO
 
O Solidariedade atualmente ocupa o cargo de vice-prefeito em Nova Mamoré, São Francisco e São Miguel. Além disso possui 13 vereadores em Rondônia. Além da capital, Daniel Pereira tem uma base forte no Cone Sul. 
 
GARANTIA
 
Embora negue que esteja 100% garantido na disputa ao Governo, Daniel afirma que o partido lançará nominatas para concorrer às vagas na Assembleia Legislativa e Câmara dos Deputados, e apresentará nomes para composição de alianças nas disputas ao Senado e governo do Estado. 
 
OUTROS
 
Outros eventuais candidatos ao governo dependem de composições. O MDB, por exemplo, já teria sido procurado por Marcos Rocha. Ninguém se surpreenda se a legenda indicar um vice para Rocha, que ainda está sem partido.
 
SENADORA
 
A ex-senadora Fátima Cleide seria uma opção do PT, contando com o fortalecimento da candidatura Lula para Presidente. O partido também não descarta indicar vice e compor com outras legendas.
 
QUIETO
 
O deputado Léo Moraes não definiu ainda que rumo vai tomar. Leo aguarda divulgação de pesquisas para somente depois disso se reunir com seu correligionários e avaliar a melhor opção.  
 
APOIO
 
O governador Marcos Rocha esteve no Ministério da Justiça na sexta-feira. Foi pedir ajuda da Força Nacional de Segurança para atuar na região de Corumbiara e Chupinguaia onde vem ocorrendo conflitos envolvendo terras.
 
DESTAQUE
 
O jornalista Alexandre Garcia comentou na internet, também na sexta-feira, sobre a presença do Governador de Rondônia pedindo ajuda Federal. Ele elogiou a postura de Rocha ao solicitar apoio para um problema que realmente é sério. 
 
SEM NOÇÃO
 
O comentário estava tranquilo até o meu nobre conterrâneo, é natural da mesma cidade que eu no Rio Grande do Sul, dizer que há um grupo semelhante às FARC atuando no Estado de Rondônia. Menos né seu Alexandre, menos.
 
ESCLARECIMENTO
 
As FARC, Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, são uma guerrilha revolucionária que luta contra o governo colombiano, buscando a implantação do socialismo.
 
INVESTIGAÇÃO
 
O cacique rondoniense Almir Naramayoga Suruí(46) disse que recebeu ligação de um homem que seria delegado da Polícia Federal em Ji-Paraná. O agente teria afirmado que estava investigando, a pedido da Funai, a campanha “Povos da floresta contra Covid-19”.
 
COVID
 
A campanha investigada, segundo as lideranças, teve como objetivo fazer arrecadação privada de recursos para comprar produtos de limpeza e cestas básicas aos indígenas durante o período de distanciamento social da Covid-19 em setembro de 2020. 
 
PRÓPRIO
 
De acordo com o advogado que defende o povo Paiter Suruí, “a arrecadação não teve um centavo de dinheiro público”. No entanto, há um detalhe interessante nessa questão.
 
ARGUIÇÃO
 
A investigação da Polícia Federal a pedido da Funai, coincidentemente, ocorre poucos meses após Almir Suruí e o cacique Raoni, da etnia Kayapó, darem entrada num pedido de investigação contra o presidente Jair Bolsonaro no Tribunal Penal Internacional, responsabilizando-o pelo aumento da destruição da Amazônia e ataques aos direitos indígenas.
 
POPULARIDADE
 
Almir Suruí é uma das lideranças indígenas mais conhecidas do mundo. Em 2013 ganhou das Nações Unidas o título de “Herói da Floresta” pelo trabalho de conservação da Terra Indígena Sete de Setembro, na divisa de Rondônia com Mato Grosso e em 2008 foi premiado pela Sociedade Internacional de Direitos
Humanos.
 
OUTRO LADO
 
A Polícia Federal informou que existe inquérito em função de notícia crime enviada pela Funai. Haveria difamação da Funai na internet e divulgação de dados inverídicos que levariam a crer que os citados indígenas estão desassistidos e sem condições mínimas de sobrevivência frente à pandemia. 
 
OPORTUNIDADE
 
Quem quiser ampliar conhecimentos em Processo Legislativo Constitucional, o maior especialista da Região Norte do país, advogado Dr. Laércio Fernando de Oliveira Santos, estará ministrando um Curso/Treinamento. O evento acontece nos dias 08/15 e 22 de Maio. O curso será Online, AO VIVO, na Plataforma
ZOOM. Informações e Inscrições através do telefone (69) 984840857 ou pelo email: atendimento@laf.adv.br. O Investimento é de R$300,00 por pessoa. Acima
de 4 pessoas o valor fica em R$ 250,00 (por pessoa).
 
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

FP Baby LTDA

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS