BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

PANDEMIA: Sobe para 160 número de casos confirmados de coronavírus em RO

Os 160 casos confirmados para Covid-19 são nas seguintes localidades: 110 em Porto Velho; 30 em Ariquemes; sete em Ji-Paraná, seis em Ouro Preto do Oeste; três em Rolim de Moura; um em Alto Paraíso, um em Buritis; um em Jaru e um em Vilhena.

DA REDAÇÃO

19 de Abril de 2020 às 19:10

Foto: Divulgação

Governo de Rondônia, por meio da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) e a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), divulga os dados referentes ao coronavírus (Covid-19) no Estado.

 

Até a tarde de domingo (19) foram consolidados os seguintes resultados para Covid-19 em Rondônia:

 

Casos confirmados  – 160

Pacientes curados – 28

Óbitos – 04

Pacientes internados com Covid-19 – 04

Descartados – 1.089

Aguardando resultados do Lacen – 68

CONFIRMADOS POR MUNICÍPIOS

Os 160 casos confirmados para Covid-19 são nas seguintes localidades: 110 em Porto Velho; 30 em Ariquemes; sete em Ji-Paraná, seis em Ouro Preto do Oeste; três em Rolim de Moura; um em Alto Paraíso, um em Buritis; um em Jaru e um em Vilhena.

 

Neste domingo foram confirmados 32 novos casos de Covid-19 em Rondônia: 22 casos em Porto Velho, sendo nove mulheres (25, 30, 32, 26, 35, 36, 38, 50, 66 anos de idade) e 10 homens (26, 29, três de 33 anos, 47, 51, 56, 66 e 67 anos de idade).  Também foram confirmados três casos em crianças, uma do sexo feminino (9 anos) e duas do sexo masculino (2 e 7 anos de idade). Foram confirmados, ainda, nove novos casos no município de Ariquemes, sendo quatro mulheres (34, 35, 36 e 46 anos), três homens (23, 36 e 50 anos), uma criança do sexo feminino (7 anos) e uma do sexo masculino (10 anos de idade). Também foi confirmado um caso positivo em Ji-Paraná, uma mulher de 30 anos de idade.

 

INTERNADOS POR MUNICÍPIOS

Dos quatro pacientes internados, dois são em Cacoal, no Hospital Regional de Cacoal (HRC), e dois em Porto Velho,  no Centro de Medicina Tropical de Rondônia (Cemetron).

A Agevisa ressalta que os dados não são lidos e atualizados imediatamente pelo Ministério da Saúde, por isso há atraso (delay) no registro de casos que estão sendo acompanhados diariamente por equipes de saúde nos municípios.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS