DATA DE VALIDADE: O que fazer se tiver recebido dose vencida de vacina contra covid-19

Imunizados com vacina Da Índia devem checar não só lote mas também data de vencimento do frasco para saber se realmente foram vacinados com dose fora do prazo

DATA DE VALIDADE: O que fazer se tiver recebido dose vencida de vacina contra covid-19

Foto: Divulgação

A informação de que 26 mil doses vencidas da vacina AstraZeneca foram aplicadas em 1.532 municípios brasileiros trouxe apreensão aos vacinados pelo imunizante fabricado na Índia e gerou dúvidas sobre o que fazer para saber se está entre aqueles que receberam as doses com validade expirada e como proceder caso realmente tenha recebido a dose fora do prazo.
 
Confira um passo a passo para lidar com o caso:
 
Como descubro qual é o lote da minha vacina?
 
Primeiro, é preciso checar se você recebeu alguma dose de um lote vencido. Para isso, localize, no cartão de vacinação, o número do lote. No Brasil, há diferentes modelos de carteiras de vacina, no entanto, na imunização contra a covid-19, geralmente o lote vem logo abaixo da informação sobre qual é a dose a ser tomada. O lote é composto por número e letras, distribuídas em sequência aleatória.
 
Achei o código do lote. Como saber se ele estava vencido quando tomei a vacina?
 
Após localizar o código do lote no cartão de vacina, confira se os números e as letras correspondem com os dos lotes vencidos. Depois disso, é necessário verificar a data de vencimento dos imunizantes e checar se ela realmente é anterior ao dia em que você recebeu a aplicação. As informações podem ser consultadas na imagem abaixo. Os oito lotes vencidos tiveram a validade expirada entre 29 de março e 4 de junho. 
 
4120Z001: 29 de março
4120Z004: 13 de abril
4120Z005: 14 de abril
CTMAV501: 30 de abril
CTMAV505: 31 de maio
CTMAV506: 31 de maio
CTMAV520: 31 demaio
4120Z025: 4 de junho
 
Atenção: você só foi imunizado com uma dose inapropriada caso tenha se vacinado após a data de vencimento.
 
Tomei uma dose vencida e agora?
 
É preciso se revacinar em pelo menos 28 dias. Essa é a orientação do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra Covid-19. O período é o prazo de segurança para que a dose vencida não entre em conflito com a que será recebida.
 
Para ter certeza de como o estado em que você mora lidará com o erro, vá até o posto de vacinação em que tomou a dose vencida, leve a carteira de vacinação e informe o erro.
 
O imunizante vencido faz mal à saúde?
 
De acordo com a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), o recebimento de uma dose vencida não traz riscos à saúde. Por outro lado, não há certeza de que a aplicação fora do prazo de validade traz prejuízo à eficácia da vacina. Por isso, a SBIm recomenda a repetição do processo de vacinação.
 
A organização também disse que “não é possível afirmar se a dose adicional pode aumentar a possibilidade de eventos adversos”.
 
O que dizem os órgãos de saúde sobre as vacinas vencidas?
 
O Ministério da Saúde afirmou que a responsabilidade da gestão da validade das doses das vacinas é dos estados. “As doses entregues para as centrais estaduais devem ser imediatamente enviadas aos municípios pelas gestões estaduais. Cabe aos gestores locais do SUS o armazenamento correto, acompanhamento da validade dos frascos e aplicação das doses, seguindo à risca as orientações do Ministério”, escreveu em nota.
 
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) também informou que "não participa da logística de aplicação de imunizantes", apenas avalia a qualidade, segurança e eficácia das vacinas. A autarquia esclareceu ainda que não recebeu qualquer pedido de extensão de prazo de validade de vacinas AstraZeneca e que vacinas com validade expirada "não têm garantias de eficácia e segurança". 
 
Já a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que produz a vacina no Brasil, informou que os lotes vencidos não foram produzidos no país. Uma parte dos lotes foram importados do Instituto Serum, da Índia e entregues pela Fiocruz ao Ministério da Saúde. Outras foram fornecidos pela Organização Pan-Americana de Saúde (Opas/OMS).
 
De acordo com a Fundação, todos os lotes foram repassados dentro do prazo previsto, em janeiro e fevereiro deste ano. A Fiocruz ainda diz que está, junto ao Programa Nacional de Imunizações, em contato com o fabricante indiano para colher "orientações a serem dadas pelo Programa àqueles que tiverem tomado a vacina vencida". 
 
Alguns estados informaram que trabalham para verificar se houve, de fato, a aplicação de doses vencidas. É o caso do Paraná, estado em que foram registradas mais vacinas vencidas (3.536 doses). De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde paranaense, “caso se confirme a denúncia, a prefeitura deverá programar uma nova dose da vacina para aqueles que tenham recebido imunizante com data de validade vencida”.
 
Já a Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) diz que a informação não procede. Segundo dados registrados no Ministério da Saúde, 77 doses foram aplicadas com atraso no DF. Na avaliação da pasta, o que ocorreu foi uma falha que levou a “este desencontro de informações”. A explicação da pasta é de que os servidores que registraram a aplicação no sistema podem ter esquecido de alterar a data e registrado fora do prazo de validade.
 
Quais os sintomas do coronavírus?
 
Desde a identificação do vírus Sars-CoV2, no começo de 2020, a lista de sintomas da COVID-19 sofreu várias alterações. Como o vírus se comporta de forma diferente de outros tipos de coronavírus, pessoas infectadas apresentam sintomas diferentes. E, durante o avanço da pesquisa da doença, muitas manifestações foram identificadas pelos cientistas. Confira a relação de sintomas de COVID-19 atualizada.
 
O que é a COVID-19?
 
A COVID-19 é uma doença provocada pelo vírus Sars-CoV2, com os primeiros casos registrados na China no fim de 2019, mas identificada como um novo tipo de coronavírus pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em janeiro de 2020. Em 11 de março de 2020, a OMS declarou a COVID-19 como pandemia.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS