ASSÉDIO: Médico brasileiro preso no Egito atuava ilegalmente em Portugal

Ele pode ser condenado de 6 meses a 3 anos de prisão pelo crime

ASSÉDIO: Médico brasileiro preso no Egito atuava ilegalmente em Portugal

Foto: Divulgação

O médico bolsonarista Victor Sorrentino, preso no Egito por assediar uma mulher muçulmana, utilizava as redes sociais para oferecer consultas em Portugal sem que o diploma de medicina fosse validado no país. De acordo com reportagem da Folha de S. Paulo, ele cobrava até 350 euros por consulta. 
 
O nome de Victor Sorrentino, porém, não consta da lista de profissionais aptos a exercer a medicina legalmente em Portugal. Profissionais formados em universidades brasileiras precisam passar por um exame de validação do diploma para poderem exercer a medicina no país europeu. 
 
Segundo a Ordem dos Médicos de Portugal, denúncias relacionadas ao exercício ilegal da medicina devem ser encaminhadas à Justiça. 
 
Victor está preso no Egito por ter assediado uma vendedora. Ele gravou um vídeo com frases de duplo sentido, falando em português para a mulher que não compreendia. O Egito passou a criminalizar o assédio em 2014. Ele pode ser condenado de 6 meses a 3 anos de prisão pelo crime.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS