BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

DO ACRE: Policiais civis estão em Rondônia à procura de filho de político

Ele é uma das sete pessoas que tiveram prisão temporária decretada pela justiça em decorrência dos desdobramentos da Operação Mitocôndria, que investiga desvios de recursos da merenda escolar no estado vizinho

AC 24 HORAS

11 de Abril de 2020 às 09:03

Atualizada em : 12 de Abril de 2020 às 11:03

Foto: Divulgação

O empresário Cristian Sales, filho do deputado Manoel Moraes (PSB), que tem um mandado de prisão decretado pela justiça, está no interior do Estado de Rondônia.

 

Segundo o ac24horas apurou, Sales participa de uma pescaria e estaria incomunicável (sem sinal de telefone e internet).

 

Ele é uma das sete pessoas que tiveram prisão temporária decretada pela justiça em decorrência dos desdobramentos da Operação Mitocôndria, da polícia civil que investiga desvios de recursos na distribuição da merenda escolar no Acre. De acordo com os investigadores, apesar de incomunicável, Cristian é considerado foragido.

 

O deputado Manoel Moraes informou que dois grupos foram enviados a Rondônia para localizar seu filho. “Mandei dois carros ir atrás dele. Um foi meio-dia e outro às 18 horas. Estou esperando o retorno e espero que chegue logo. Dizem que estava em um lugar muito longe e difícil acesso”, revelou o parlamentar ressaltando que ele deverá se apresentar em breve.

 

 

Como o ac24horas adiantou em duas reportagens publicadas nesta semana, um esquema pode ter movimentado mais de R$ 20 milhões no desvio de recursos públicos destinado a merenda escolar no Acre. Desses montante, segundo a polícia, cerca de R$ 4 milhões teriam sido desviados.

 

>>> Esquema na merenda pode ter movimentado R$ 20 milhões no Acre e envolve empresas “laranjas” ligadas a deputado

 

A justiça atendeu a representação da Polícia Civil e bloqueou, preliminarmente, R$ 5 milhões das contas dos investigados, além de tornar, temporariamente, indisponíveis bens móveis, imóveis e semoventes dos envolvidos.

 

A operação policial conta com 2 meses de investigação com foco em desvio de recursos públicos relacionados a merenda escolar sendo apuradas diversas práticas como: entrega de produtos e itens com qualidade inferior ao contratado ou em quantidade menor, além falsificado de documento público, falsidade ideológica e associação criminosa entre outros crimes e irregularidades previstas na Lei de Licitações e Contratos Públicos.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS