BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

INCENTIVO: Qualidade dos produtos é o atrativo da 4° edição da Exposição da Agroindústria

A exposição é coordenada pela Secretaria Estadual de Agricultura (Seagri) e tem como proposta fomentar a geração de renda, e ao mesmo tempo funciona como uma vitrine do bom preço e qualidade dos produtos rondonienses

ASSESSORIA

28 de Fevereiro de 2020 às 15:25

Foto: Divulgação

Derivados do leite, biscoitos, rapadura, mel, polpa de fruta, cocadas, suíno, artigos artesanais, entre outras variedades, foram os atrativos da 4ª edição da Exposição de Agroindústria Familiar e Artesanato, que foi realizada na sexta-feira (28), no estacionamento Pirarucu no Palácio Rio Madeira, em Porto Velho.

 

A exposição é coordenada pela Secretaria Estadual de Agricultura (Seagri) e tem como proposta fomentar a geração de renda, e ao mesmo tempo funciona como uma vitrine do bom preço e qualidade dos produtos rondonienses.

 

O coordenador de Agricultura Familiar da Seagri , Victor Paiva,  disse que esta edição teve a participação de 30 agroindústrias e 12 artesãos dos municípios de Colorado do Oeste, Cacoal, Jaru, Vilhena, Presidente Médici, Ariquemes, Guajará- Mirim e Cacaulândia. A artesã Jussara Oliveira participa pela primeira vez do evento e elogiou a iniciativa. “Oportunidade extra de renda e de divulgar o  nosso trabalho, faremos novos clientes”, disse otimista.

 

Os produtos rondonienses possui o certificado do Programa de Verticalização da Agricultura Familiar (Prove), que é um incentivo do governo estadual, e serve para identificar que os itens são provenientes da agricultura familiar. “Com esse selo, o produtor tem atendimento especial e benefícios”, explica o coordenador Vitor.

 

Outro diferencial dos produtos, se deve ao fato de Rondônia ser o primeiro estado a aderir ao Programa de Inclusão Produtiva com Segurança Sanitária (Praissan). Segundo a  nutricionista da Agevisa, Lúcia Freitas,o programa  tem o objetivo de acompanhar de forma orientativa e amparar os pequenos agricultores, microempreendedores individual, as cooperativas e as associações.

 

“Orientamos, amparamos e auxiliamos na sua legalização, fazendo com que eles cumpram a legislação e as boas práticas de manipulação e fabricação.  Com o objetivo que  esses produtos sejam comercializados em todo o estado de Rondônia e todo o território nacional sem barreiras, e nenhuma dificuldade. Desta forma, procuramos tirar da informalidade o microempreendedor e o agricultor familiar, dando amparo e desburocratizando a documentação, e ao mesmo tempo é dado a garantia de que o produto chegue na mesa do consumidor com qualidade sanitária.  Para isso contamos com a parceria da Seagri, Emater e Sebrae”, conta.

 

Selo e logomarcas garantem a qualidades dos produtos

 

A nutricionista ressalta, ainda, que o produto não é só o conteúdo,  mas a embalagem e a rotulagem também contam como padrão. “Desta  forma  podemos mostrar que esse produtor passou por fiscalização e que tem qualidade para ser comercializado através dessa logomarca. Vai na rotulagem do produto caracterizando que passou por um fiscalização sanitária”, esclarece.

 

O Praissan trabalha com produtos de origem vegetal. “A ideia é criar o Praissan municipal para que todos os produtos saiam daquele município com a logomarca.  O que indica que o produto foi vistoriado por um  fiscal da vigilância sanitária “, esclarece a nutricionista da Agevisa.

 

O empreendedor de Jaru, Eliel Cruz,  vende coco mascavo livre de fritura (cereal), e reforça que as iniciativas do governo para garantir a qualidade da produção faz a diferença. “Importante ter o selo Prove e Praissan no produto, quando o cliente verifica o selo e a logo já sabe que é produto liberado pela vigilância e fica satisfeito”, comenta o empreendedor.

 

Servidores e vizinhos do Palácio Rio Madeira também relataram que gostam da qualidade dos produtos e dos preços. “Esse é um bom incentivo para os agricultores e artesãos mostrarem seus trabalhos e comercializarem os produtos. Uma boa iniciativa do governo”, considera a servidora Valdenira Farias que trabalha há trinta anos no governo.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS