Servidor Público: o bode expiatório de todas as mazelas - Por Valdemir Caldas

Por Valdemir Caldas

Alguns segmentos do funcionalismo público, nos três níveis de poder, têm recebido com preocupação – mesmo os que o sufragaram na eleição presidencial – as medidas acionadas pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, destinadas a remodelar o funcionamento da máquina pública, a chamada reforma administrativa.
Modestamente, incluo-me entre os que acreditam que a corda vai arrebentar, mais uma vez, do lado das classes menos aquinhoadas, que não têm poder de pressão, costumeiramente as mais prejudicadas e perseguidas por administradores e políticos cúpidos, que insistem em tratá-las com desdém, o bode expiatório de todas as mazelas que impregnam o setor público, uma espécie de categoria mendiga, sempre de pires na mão à espera que lhe caia algumas migalhas das mesas palacianas. Tudo isso, evidentemente, sob os aplausos velados de uma minoria que de tudo faz para desmoralizar e ridicularizar a maioria dos que presta serviços à máquina oficial.
 
Apesar de não ser especialista em nada, entendo que a proposta de reforma administrativa precisa estar fincada no ideal de justiça e na renovação de conceitos e estruturas arcaicas, mas, pelo que se tem acompanhado e ouvido nos bastidores da politica, a burocracia palaciana, aliada ao histórico de muitos parlamentares com assento no Congresso Nacional, não deixam dúvidas de que a discussão e consequente aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC 32/2020) serão marcadas por acordos espúrios e discursos demagógicos, que desde há muito vêm caracterizando o nosso modelo politico, aparecendo, frequentemente, como um foco de infecções a reclamar tratamento cirúrgico pelo povo.
 
Que os servidores públicos possam mais uma vez cerrar fileiras para defender seus interesses contra as maquinações e os golpes orquestrados por políticos profissionais e dirigentes públicos insensíveis, sempre preocupados com seus mesquinhos e reprováveis privilégios em detrimento das camadas mais sofridas da sociedade. É inaceitável que essa gente continue usando de todos os meios e métodos condenáveis para manter o velho estado de coisas deploráveis que temos. 
 
Quer queira, quer não queira, o desmonte do serviço público começou no governo do tucano Fernando Henrique Cardoso, passando pelas administrações nefastas de Lula e Dilma, chegando ao governo do presidente Jair Bolsonaro. A proposta de reforma administrativa precisa alcançar todos os segmentos funcionais, e não buscar apenas manter privilégios de uns poucos em prejuízo da maioria. Caso contrário, redundará inócua.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS