BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

Mais de 20 mil famílias comemoram o fim do drama da figura A, por Sérgio Pires

COLUNA

19 de Agosto de 2017 às 08:08

Foto: Divulgação

Foram décadas de medo e sofrimento; de insegurança e ameaças. Finalmente, em alguns casos depois de quase um século, famílias que residem na conhecida Figura A, no centro de Porto Velho, começam a chegar ao fim do pesadelo, com a regularização de todas as propriedades de vários bairros daquela região, que pertencia à União. Um esforço concentrado que envolveu a Associação de Moradores; a Prefeitura de Porto Velho; a Superintendência de Patrimônio da União e vários parlamentares, principalmente o deputado federal Lindomar Garçon, que foi quem conseguiu a solução definitiva num encontro pessoal com o Presidente Temer, resultou em que o embroglio foi resolvido. Os registros de desespero foram muitos, durante todo esse tempo. Houve moradores que receberam intimações para pagar valores de até 140 mil reais por ano, para poderem manter suas propriedades na área. Houve ameaças de todos os tipos. Uma moradora, que vive no local há mais de 25 anos, contou em reportagem da SICTV que foi ameaçada de que seria presa pela Polícia Federal, caso não pagasse o valor cobrado. Um residente há 30 anos do bairro Arigolândia, na antes tenebrosa Figura A, Naciel Monteiro, criou a Associação dos Moradores e partiu para a luta. No final, depois de muita promessas, enrolações, conversa fiada e tudo aquilo que é comum na vida pública brasileira, que parece que é especializada em sacanear a população, enfim, a alegria geral! Mais de 20 mil famílias que vivem na área central de Porto Velho foram beneficiadas.

Os bairros atendidos com a regularização, em andamento e com custo zero aos moradores que ganham até cinco salários mínimos, são alguns dos mais tradicionais da cidade, como Arigolândia, Panair, Pedrinhas, Baixa da União, Triângulo, Areal e boa parte da área considerada a mais central da cidade. Todos os moradores receberão suas escrituras da Prefeitura, depois que a área foi doada pela União. O prefeito Hildon Chaves comemorou a decisão do governo federal e destacou o grande esforço do deputado Garçon, para que o problema fosse resolvido. Segundo Garçon, o Presidente Temer se interessou pessoalmente pelo problema e determinou aos setores competentes do governo federal que atendessem ao pleito de Porto Velho. Foi uma vitória, enfim. Moradores da área não cabem em si de alegria. Finalmente, uma boa notícia para milhares deles. Na vida insegura que levavam, o futuro para eles e suas famílias era incerto. Agora, não é mais...




NEGÓCIOS BOLIVIANOS

Rondônia está abrindo uma série de frente de negócios com a Bolívia, inclusive cumprindo compromissos centenários do Brasil com nossos vizinhos, permitindo que os produtos deles cheguem aos portos do nosso país e sejam escoados para várias partes do mundo. Além disso, estamos vendendo muito dos nossos produtos aos vizinhos, ampliando cada vez mais os negócios e a perspectiva de crescimento da nossa balança comercial. As conversações começaram há muitos anos, mas se concretizaram agora, no governo Confúcio Moura. Nesse contexto, aliás, é por demais justo destacar o trabalho ralizado pelo vice governador Daniel Pereira, que tem sido um verdadeiro embaixador das causas rondonienses e brasileiras nas conversações com nossos parceiros bolivianos. Nesse pacote, quem está também comemorando bastante é o empresário César Cassol. Sua indústria de calcário vai fornecer, num primeiro negócio, nada menos do que 18 mil toneladas para melhorar a produção dos nossos vizinhos. A empresa de César, que já atende grande parte do mercado rondoniense, agora amplia seus negócios. E a intenção é ir mais longe ainda...

LIÇÃO PARA APRENDER

O episódio do auxílio alimentação, na Assembleia, foi daqueles que não deveria ter existido. A atual administração do presidente Maurão de Carvalho reaproximou o parlamento da população; trouxe milhares de pessoas para dentro da Casa, através das audiências públicas e, mais que isso, se notabilizou por ter extremo cuidado com os gastos. O sistema utilizado por Maurão para a compra de materiais do novo prédio da ALE, inédito e que significou enorme economia aos cofres do Parlamento, é apenas um exemplo. Quando surgiu, de surpresa, a informação desse benefício, sem que fossem dadas explicações claras dos motivos dessa decisão, obviamente que a comunidade reagiu negativamente. Não se poderia esperar outra atitude do Presidente Maurão e dos demais deputados em, horas depois, decidirem por revogar a decisão. Foi um desgaste desnecessário e certamente uma lição a mais aprendida na complexa vida política: em momentos de crise, de dificuldades, falar em gastos, sejam quais forem, só se for muito bem explicado à população. Senão...

NO FIM, UMA LIMONADA

No rastro do episódio, tanto Maurão quanto todos os demais parlamentares deram um exemplo bastante positivo não só de humildade, por voltar atrás na decisão tomada e, mais que isso, de atender o clamor da opinião pública. A Assembleia foi além, pois não só cancelou o auxílio alimentação (verba que existe nos demais poderes, diga-se de passagem), como ainda reduziu em 20 por cento da verba de gabinete de todos os deputados. O presidente da ALE resumiu as novas decisões, certamente de agrado de toda a sociedade: “a Assembleia está em sintonia com a sociedade e ouvimos o clamor popular. Em consenso, definimos o fim do auxílio, a redução da verba em 20 por cento e a proibição de ressarcir despesas com alimentação na cota parlamentar. Também assumimos o compromisso de não criarmos mais nenhuma despesa”, resumiu. Foi um episódio que começou mal e terminou muito bem. A Assembleia soube fazer do limão uma limonada e ainda merecer o respeito de todos os rondoniense. Foi bem, o parlamento!

“PERFURADOR DIGITAL”


Você sabia que um ascensorista da Câmara Federal pode receber até 9 mil reais de salário? Isso mesmo. E sabia que existe gente muito bem paga no serviço público, concursada, que realiza serviços “essenciais”, tais como datilógrafo (existe ainda?), radiotelegrafista, perfurador digital (????), classificador de cacau; técnico de colonização e outras aberrações? Alguém aí pode dizer o que faz um “perfurador digital”? Cargos como esses, que ainda existem em abundância, todos com direitos especiais, o que resultado eventualmente em salários absurdos, comparados com a grande maioria dos trabalhadores brasileiros, vão ser extintos, finalmente. No total, mais de 60 mil cargos públicos inúteis, hoje em dia, vão desaparecer. Certamente, no bolo final do enorme e inacreditável déficit público, isso representará um efeito bastante positivo. O governo tem que pensar em cortar também alguns milhares de cargos comissionados. Daí as coisas já começariam a melhorar mais ainda...

 

 

MAIS UM APAGÃO

 

Qual a explicação plausível para o apagão de quinta à noite, que deixou Rondônia e Acre totalmente no escuro, durante quase duas horas? Quase 24 horas depois do problema, o que se sabe é que ele nada teve a ver com a geração de energia da Santo Antônio, mas sim com um problema localizado em Ariquemes, que acabou afetando toda a estrutura de abastecimento de Rondônia e Acre. A grande maioria das cidades rondonienses, praticamente, foi atingida pela escuridão total, depois que ocorreu alguma coisa com o Linhão que distribui a energia gerada desde o Rio Madeira. Com tanta energia, hoje em abundância, com três usinas em Porto Velho (as duas do Rio Madeira e a de Samuel, em Candeias), a população não compreende como pode ficar tanto tempo no escuro. Acidentes como esse de quinta podem ser comuns, mas exigem estudos de prevenção, para que não se repitam. Além de pagarmos por uma energia muito cara, apesar dela ser gerada aqui, na nossa porta, ainda temos que sofrer apagões constantes, geralmente sem que se saiba o que realmente aconteceu. Os acrianos também sofrem, porque dependem da nossa energia. O Sistema Integrado, criado pela Eletrobras para distribuição da energia que geramos aqui, no final das contas ainda não está funcionando como deveria. Lamentável!



IBAMA AUTORIZA NOVA COTA

A presidente do Ibama, Suely Araújo, assinou nessa semana, autorização que permite à Hidrelétrica de Santo Antônio aumentar a cota do reservatório em até 80 centímetros. A usina do Rio Madeira, em Porto Velho poderá chegar até 71,3 metros, para vazões afluentes ao reservatório de até 24 mil metros cúbicos e poderá operar também na cota de 70,5 metros, para vazões afluentes ao reservatório acima de 24 mil metros cúbicos. A nova autorização foi emitida pelo Ibama e é válida até o dia 16 de agosto de 2019, substituindo a anterior, emitida em 2014. A Hidrelétrica pediu essa autorização para que pudesse ligar novas turbinas e, com isso, aumentar a capacidade de produção de energia. A autorização continha uma série de condicionantes, para que pudesse ser renovada, entre elas apresentar informações diárias sobre a cota de operação. Segundo o Ibama, praticamente todas as exigências para a autorização foram completamente atendidas. Ainda falta apenas alguns casos de indenizações e transferência de moradores que serão atingidos pelo aumento da barragem.


PERGUNTINHA

Se tivesse tanto dinheiro, você faria como a milionária Roberta Luchsinger, herdeira do Banco Creddit Suisse e doaria 500 mil reais ao ex Presidente Lula?

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS