SENADOR: Quebra de patentes traria mais dificuldades do que ajudaria o País, diz Confúcio Moura

De acordo com o parlamentar, é necessário e urgente promover o reforço da produção local mediante acordos de transferência de tecnologia como vem ocorrendo com a Fiocruz e o Butantan

SENADOR: Quebra de patentes traria mais dificuldades do que ajudaria o País, diz Confúcio Moura

Foto: Divulgação

O senador Confúcio (MDB-RO) utilizou a Tribuna virtual do Senado Federal na terça-feira (13) para falar que neste momento não existe vacina suficiente para atender à demanda brasileira, com ou sem quebra de patentes. Segundo ele, para o mês de abril, só é possível contar com as produções da Fiocruz e Butantan e com um pouco menos de 2 milhões de doses do consórcio Covax: aproximadamente, este mês, 26 milhões de doses. 
 
De acordo com o parlamentar, é necessário e urgente promover o reforço da produção local mediante acordos de transferência de tecnologia como vem ocorrendo com a Fiocruz e o Butantan.  Para o senador, é preciso realizar um diagnóstico urgente junto à Anvisa, Ministérios da Saúde, Agricultura e outros, da capacidade produtiva instalada no setor público e privado, tanto de produtores de vacinas de uso humano, como de vacina animal, que podem ser também produtores de IFA para envasamento no País. 
 
O senador que também é presidente da Comissão da Covid-19, falou que o diretor do Butantan, Dimas Covas, na penúltima audiência publica do Colegiado, que teve a presença da Fiocruz, dos Ministérios das Relações Exteriores e Ciência e Tecnologia, assegurou que a quebra de patentes, neste momento, traria mais dificuldades adicionais do que ajudaria o País a ter acesso rápido a vacinas.
 
Confúcio Moura falou que não existe uma indústria de biotecnologia desenvolvida no Brasil, e que tem ouvido especialistas sobre a quebra de patentes. Segundo ele, hoje não existe mais patente de um só local e há sempre a participação de universidades internacionais e de consórcios. “O Brasil é simplesmente absorvedor e comprador de produtos farmacológicos, ao contrário de outros países, que colocaram isso como prioridade”, explicou. 
 
Confúcio Moura disse que torce muito para que a Fiocruz e o Butantan iniciem logo suas plantas industriais para a produção de IFA nacional, para acabar com a dependência de importações fracionadas irregulares.  “Vamos apoiar e incentivar as pesquisas da ButanVac, da USP de Ribeirão Preto, com a Versamune, da Universidade Federal de Minas Gerais e outras financiadas pelo Ministério de Ciência e Tecnologia”, lembrou.
 
O parlamentar falou que a pandemia sirva de exemplo, para que o País aprenda, no sofrimento, que precisa desenvolver permanentemente o seu parque biotecnológico público e também privado, para que se possa entrar no mercado mundial imunobiológico também com medicamentos patenteados.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS