BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

DESCONTO NAS MENSALIDADES: Para Aleks Palitot, acordo entre as partes foi uma conquista

“A comissão teve o cuidado de ouvir todas as partes com o propósito de viabilizar um acordo”, afirmou Palitot

ASSESSORIA

21 de Maio de 2020 às 16:00

Foto: Divulgação

Em nota oficial expedida na tarde desta quinta-feira (21), o Vereador Professor Aleks Palitot, membro da Comissão de Educação da Câmara Municipal, manifestou sua posição em relação a medidas que sujeitavam as escolas particulares a concederem descontos aos alunos durante o período de distanciamento social.
 
Em 06 de maio, Palitot solicitou à Presidente da Comissão, Vereadora Joelna Holder, e ainda ao vereador Luan da TV, também membro da comissão, uma reunião especial com a participação de representantes do Procon, Comissão de Defesa do Consumidor da OAB/RO, Ministério Público Estadual - Promotoria de Educação, Sindicato das Escolas Particulares, alguns professores, pais e alunos, além dos Conselhos Municipal e Estadual de Educação, e, Secretaria Municipal de Fazenda, com o intuito de ouvir as partes envolvidas e realizar um encaminhamento lúcido acerca da questão das mensalidades.
 
De acordo com Palitot, era um momento em que se fazia necessário um posicionamento sensível e ponderado à respeito das reduções nos valores, olhando para os pais que não possuem mais meios de pagar as mensalidades em sua totalidade, mas com o cuidado de não gerar desemprego, acirrando ainda mais a crise com o fechamento de escolas em virtude de descontos promovidos de forma linear, sem nenhum estudo de impacto ou mesmo sem a análise de cada caso e de cada escola.
 
“A comissão teve o cuidado de ouvir todas as partes com o propósito de viabilizar um acordo”, afirmou Palitot, “O que foi algo muito salutar, pois ao fim do encontro pode-se chegar a um meio termo. Além do lado dos pais, temos que observar a questão contratual que envolve a relação entre as duas partes, evitando a evasão escolar e atento ao fato que a rede pública não tem como absorver essa migração da rede privada, além do desemprego para os professores que tiveram que se adaptar do dia para a noite à nova realidade de plataformas virtuais, aulas remotas e planejamento pedagógico”, ressaltou o vereador.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS