BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

COMBATE A COVID-19: Presídios recebem caixas e hastes de sanitização por raios em Porto Velho

As caixas serão utilizadas no comissariado ou na entrada das unidades para desinfetar todo e qualquer materia

ASSESSORIA

14 de Agosto de 2020 às 14:38

Foto: Divulgação

A Secretaria de Estado da Justiça de Rondônia (Sejus) entregou, na terça-feira (11), 10 caixas e oito hastes de iluminação por raios ultravioleta (UVC) a todas as unidades do sistema prisional de Porto Velho, para desinfecção de objetos e celas em suas dependências, na expectativa de proporcionar uma boa assepsia nesses ambientes e colaborar para o controle da infecção pela Covid-19.
 
De acordo com Robson de Sousa, coordenador de Infraestrutura da Secretaria (Cinfras), esta iniciativa para sanitização do ambiente prisional da Capital atende a um modelo utilizado pelo sistema prisional do Maranhão, que foi adotado pelo Estado de Rondônia com o aproveitamento da mão de obra reclusa do sistema, sob a coordenação da Sejus, como importante estratégia para o controle da disseminação da doença, que tem o apoio e incentivo do titular da secretaria, Marcus Castelo Branco, e do governador Marcos Rocha.
 
COMO FUNCIONA
 
Segundo suas explicações, as caixas com medidas de 60cm x 60cm serão utilizadas no comissariado ou na entrada das unidades para desinfetar todo e qualquer material, principalmente antes de entrar, já que pode ser utilizada em todo tipo de objeto, como armamentos, respiradores, capacetes e até mesmo em alimentos. Seu mecanismo de funcionamento é muito simples: o objeto é colocado dentro da caixa, que é fechada e exposta à luz por 5 minutos, tempo necessário para a desinfecção dos objetos que são retirados totalmente esterilizados.
 
 
Já as hastes com iluminação UVC, conforme as mesmas explicações, serão utilizadas para a desinfecção das celas, principalmente daquelas em que há casos suspeitos ou positivados para Covid-19. Para sua utilização, os presos devem ser retirados e a luz instalada, de modo que sua direção seja gradativamente alterada dentro das celas, propiciando a incidência dos raios sobre todos os pontos do recinto. Ressalte-se que numa cela de 3m X 3m, por exemplo, ela deve permanecer ligada pelo período de 1h30m em cada posição, para a completa esterilização ou sanitização do ambiente.
 
Importa esclarecer que a necessidade de retiradas dos presos das celas durante o processo obedece a uma recomendação científica, pelos riscos à saúde que os raios podem provocar por sua exposição prolongada. A explicação é que os raios UVC podem destruir células, danificar o material genético e provocar doenças graves como câncer.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS