ASSASSINATO: Homem é condenado por matar, cortar e esconder corpo em geladeira

Depois de assassinar, Fábio Machado de Oliveira roubou o carro e o cartão de crédito da vítima

ASSASSINATO: Homem é condenado por matar, cortar e esconder corpo em geladeira

Foto: Divulgação

Fábio Machado de Oliveira, de 40 anos, foi condenado a 21 anos e quatro meses de prisão pelo assassinato e ocultação do cadáver de Edinalmo Alves de Oliveira.

 

Na época do crime, 18 de outubro de 2018, o homem tinha 55 anos e trabalhava como decorador. Ele morava em um apartamento no Bairro Coophamil, em Cuiabá, onde o crime aconteceu.

 

A condenação de Fábio foi estabelecida pelo juiz Lídio Modesto da Silva Filho, da Quarta Vara Criminal de Cuiabá, no dia 9 de janeiro.

 

O magistrado não acatou a tese da defesa, de que o crime teria acontecido por ciúmes, e lembrou que, depois de matar o decorador, Fábio ainda roubou seu carro e cartão de crédito. O caso foi configurado como latrocínio – ou seja, roubo seguido de morte.

 

Conforme a ação, Edinalmo foi morto asfixiado em seu apartamento e teve o corpo retalhado para que coubesse na geladeira. Foi só dois dias depois que Fábio decidiu levar o cadáver para um matagal próximo a uma igreja no bairro Portal do Amazonas, em Várzea Grande.

 

A ausência do decorador foi sentida por familiares depois que eles retornaram de viagem. Segundo a irmã dele informou à época, ela chegou a ir ao apartamento da vítima.

 

Um boletim de ocorrência foi registrado no dia 22 de outubro e a polícia passou a investigar o desaparecimento.

 

Com a apuração, descobriu-se que Fábio estava de posse do carro do decorador, e que tentou inclusive vendê-lo.

 

Foi o proprietário de uma garagem quem, ao desconfiar da tentativa de venda do veículo e descobrir o desaparecimento do decorador (procurando seu nome na internet), avisou a família.

 

Fábio também fez um empréstimo de R$ 400 em nome de Edinalmo e saques da conta-corrente. Ele apenas confessou o crime depois de ter sido interrogado três vezes.

 

 

 

 

 

Ciúmes

 

Às autoridades, o acusado alegou ter ciúmes da vítima, mas que não queria roubá-lo. Outra tese de crime passional também foi levantada, alegando que vítima e assassino tinham uma relação secreta.

 

Ainda, Fábio alegou que Edinalmo teria tentado lhe enforcar no dia do crime e, ao revidar, acabou matando a vítima.

 

As declarações não foram aceitas pelo juízo. O magistrado entendeu que a intenção do crime foi clara, assim como as provas demonstravam.

 

O juiz manteve a prisão preventiva do condenado e negou seu direito de recorrer em liberdade. Ele também foi condenado ao pagamento das custas processuais.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS