'TCHAU POEIRA': Mais de mil quilômetros de asfalto são destinados aos municípios em RO

Estimativa do Governo de Rondônia é que todas as demais obras do “Tchau Poeira” nos municípios iniciem no segundo semestre

'TCHAU POEIRA': Mais de mil quilômetros de asfalto são destinados aos municípios em RO

Foto: Divulgação

O Governo de Rondônia ultrapassou a marca de mil quilômetros de asfalto destinados aos municípios. Esse montante corresponde a todas as obras que já possuem comprometimento orçamentário. O que abrange serviços de microrrevestimento, recapeamento e asfalto novo para os 52 municípios.
 
Em pouco mais de um ano, já foram executados mais de 180 quilômetros, com investimento de mais de R$ 55 milhões, e 14 frentes de trabalho estão em andamento nos municípios de Porto Velho; Costa Marques; Cacoal; Ariquemes; Rolim de Moura; Alvorada do Oeste; Vilhena; Pimenta Bueno; Ji-Paraná; Candeias do Jamari; Ouro Preto do Oeste, Novo Horizonte; São Miguel do Guaporé e Jaru.
 
“Tchau Poeira” em Ariquemes
 
“É possível o Governo estar levando recurso para as cidades, porque foi feita uma gestão responsável, pensando em levar benefício à população de todos os municípios. O Estado é triplo ‘A’ em solidez fiscal e nota ‘A’ em transparência dos dados contábeis. E essas são obras que irão trazer mais qualidade de vida aos moradores, que se sentirão mais seguros e terão mais dignidade, além disso, contribuem para a transformação do Estado de Rondônia”, afirma o governador de Rondônia, Marcos Rocha.
 
A previsão é que no segundo semestre deste ano, todas as frentes de serviços sejam ativadas e até o final de 2023; mais de mil quilômetros de asfalto sejam aplicados nos 52 municípios. Deste total, mais de 560 quilômetros são asfalto novo; mais de 540km são de recapeamento e ultrapassa a 100km, o microrrevestimento.
 
TCHAU POEIRA
 
A ampliação da malha viária urbana pavimentada ou recapeada nos municípios rondonienses é realizada com recurso próprio do Poder Executivo, e faz parte do Projeto ‘‘Tchau Poeira’’ lançado em maio do ano passado, com a destinação de mais de R$ 660 milhões.
 
“Tchau Poeira” em Ji-Paraná
 
O coordenador do “Tchau Poeira”, projeto vinculado à Casa Civil, Rodrigo Flávio da Silva explica que a ideia surgiu da preocupação do Governo do Estado, em destinar o superavit, que o Executivo havia conquistado, em algo, que fosse fazer a diferença na vida dos rondonienses.
 
Rodrigo Flávio da Silva conta que após o diálogo entre o governador, o secretário-chefe da Casa Civil, Júnior Gonçalves foi incumbido da missão de identificar a principal necessidade dos rondonienses.
 
O secretário Júnior Gonçalves fez reunião com as equipes da Casa Civil e do Departamento de Estradas de Rodagem e Transportes – DER, sendo identificado que asfalto era a principal demanda apresentada pelas prefeituras, e seguindo o princípio de considerar as solicitações daqueles que conhecem de perto a necessidade da população em cada localidade, nasceu o ousado projeto de asfaltamento urbano.
Batizado como “Tchau Poeira”, inicialmente, a ideia era levar asfalto às ruas que nunca foram pavimentadas. As vias foram priorizadas de acordo com as demandas apresentadas pelas prefeituras.
 
“Tchau Poeira” em Costa Marques
 
Porém, segundo o coordenador do projeto, a ideia inicial, de só aplicar asfalto novo foi modificada diante de tantas demandas de recapeamento apresentadas pelos prefeitos. ‘‘Eles alegaram que precisavam também reconstruir o asfalto que já estavam muito danificado’’, disse Rodrigo Flávio da Silva.
 
Sensível à situação, o Governo do Estado, então passou a contemplar obras de recapeamento, por meio do “Tchau Poeira”.
 
IMPACTO
 
Para o coordenador do “Tchau Poeira”, o projeto está transformando não só a infraestrutura dos municípios, mas também exerce um impacto social muito positivo e forte.
 
‘‘Mil quilômetros representa a grandiosidade da importância que o Executivo Estadual deu ao objetivo de levar a política pública na ponta; levar aquilo que não é obrigação do Governo do Estado, mas sim, do municipal, movido por minimizar o sofrimento daqueles que moram em ruas sem asfalto, e têm transtornos com a poeira, desde aspectos considerados mínimos, como os gastos com produtos de limpeza para dar conta de manter a casa limpa, que para muitos pode parecer irrisório, mas para tantos, o custo interfere no orçamento doméstico, até a melhora da infraestrutura dos municípios, que traz mais segurança para a trafegabilidade, e ainda há o aspecto da geração de empregos locais por meio das obras’’.
 
“Tchau Poeira” em Vilhena
 
O “Tchau Poeira” também demonstra a sensibilização do Governo do Estado com a carência de apoio aos municípios, que tiverem os cofres públicos afetados pelos gastos com a pandemia, e ficaram com praticamente nada para investimentos.
 
MODALIDADES
 
O coordenador explica que o “Tchau Poeira” é realizado por meio de três modalidades, sendo elas a de execução direta feita pelo DER, execução indireta, ou seja, contratação de empresa pelo Executivo Estadual, e é a que concentra mais obras; e por convênio com as prefeituras, que é o repasse de recurso. ‘‘Nunca vi um projeto de asfaltamento assim. São várias formas de execução’’.
 
EXECUÇÃO DIRETA
 
As obras por execução direta feita pelo DER representam quase 50% de todos os serviços já executados. De acordo com o diretor-geral do DER, Eder André Fernandes Dias, para atender as demandas do “Tchau Poeira”, o departamento fortaleceu a estrutura com novos equipamentos e insumos.
 
Ruas com boas qualidades de tráfego refletem em uma melhor qualidade de vida para os  cidadãos
 
Ele explica ainda  quanto à qualidade da massa asfáltica que está sendo aplicada. ‘‘São utilizados quatro tipos, um deles é o Concreto Betuminoso Usinado a Quente  – CBUQ, aplicado em ruas sem pavimento, bem como no recapeamento. Temos o microrrestimento que também é uma forma de recapeamento, e por convênios tem o Tratamento Superficial Duplo – TCD, um pavimento usinado a frio’’, explica o diretor-geral do DER.
 
São utilizados quatro tipos de massa asfáltica nos pavimentos e recapeamentos
 
Eder André Fernandes Dias avalia o projeto como de extrema importância para o desenvolvimento dos municípios, e consequentemente do Estado. ‘‘Ruas com boas qualidades de tráfego refletem em uma melhor qualidade de vida para os cidadão, seja o asfalto chegando em vias que não tinham pavimento ou aumentando a vida útil daquelas já asfaltadas. É um projeto magnifico’’.
 
CELERIDADE
 
Agora que as novas modelagens permitiram avançar nas contratações de empresas para executar as obras e com a proximidade do verão amazônico que dá ainda mais condições para que os serviços sejam feitos com agilidade, a estimativa é ter um salto significativo dos quilômetros alcançados pelo “Tchau Poeira”. 
 
CONTEXTO HISTÓRICO
 
2019 – o Governo de Rondônia iniciou o planejamento para fortalecer a economia do Estado;
 
2020 – a pandemia exigiu gastos inesperados para salvar vidas diante do avanço da covid-19, mas o Poder Executivo mantém esforços para fortalecer, além da saúde, outros eixos de desenvolvimento;
 
2021 – o Executivo Estadual por meio da gestão estratégica de gastos com uso responsável do recurso público alcança superavit para grandes investimentos no desenvolvimento do Estado;
 
13 de abril de 2021 – a Assembleia Legislativa de Rondônia – ALE/RO aprova a execução do projeto “Tchau Poeira” pelo Governo de Rondônia;
 
12 de maio de 2021 – Lançamento do “Tchau Poeira”,
 
Fevereiro de 2022 – o Poder Executivo alcança a marca dos mil quilômetros de asfalto garantidos no orçamento para serem destinados aos municípios.
 
 
“Tchau Poeira” em Rolim de Moura
Direito ao esquecimento

Você acredita que candidatos evangélicos são realmente ungidos de Deus ou são “ungidos” do pastor?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública!

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS