SEM SEGURANÇA: Servidoras afirmam serem agredidas por paciente no João Paulo II; VÍDEO

Caso aconteceu no início desta semana em Porto Velho

O Rondoniaovivo recebeu um vídeo que mostra a destruição na sala de triagem do Hospital João Paulo II, em Porto Velho (RO). Profissionais de saúde acusam uma paciente de ter agredido os servidores e quebrado equipamentos de trabalho. O caso aconteceu na última segunda-feira (18).
 
Uma paciente psiquiátrica agrediu a enfermeira, agrediu a técnica, arrancou o cabelo da técnica, quebrou o computador, isso aqui é pra gravar para ver que o funcionário que tá na classificação de risco não tem proteção nenhuma”, narra uma servidora ao fundo do vídeo.
 
A mulher não identificada, afirma que a exposição não é para condenar a paciente, mas sim a direção da unidade hospitalar que segundo ela, não teria disponibilizado um serviço de segurança para os profissionais de saúde.
 
A colega aqui apanhou, a outra levou murro no estômago, cabelo arrancado e nós não temos nenhuma proteção por parte da gestão para cuidar dos nossos servidores que estão atendendo a população. Nós não estamos falando da paciente psiquiátrica, nós estamos falando da falta de segurança com o servidor dentro do hospital”, desabafa a servidora revoltada.
 
As imagens mostram duas profissionais agredidas, sentadas em uma cadeira, passando mal. Ao Rondoniaovivo, fontes confirmam que as vítimas foram duas técnicas em enfermagem e uma enfermeira.
 
Sindsaúde critica falta de segurança
 
A reportagem procurou o Sindicato dos Trabalhadores em Saúde de Rondônia (Sindsaúde). De acordo com a presidente, Célia Campos, a omissão por parte do governo em oferecer uma equipe de segurança é um absurdo.
 
“Eu acho que o governo tem que colocar seguranças de verdade, principalmente lá no JPII que é um hospital que entra todo tipo de paciente, então precisa dar uma segurança para o pessoal da triagem. Nós não podemos aceitar isso, pois esse paciente atingiu uma senhora no estômago, e ela ficou muito mal”, declara a presidente.
 
Célia relata que além receberem um salário defasado, os profissionais ainda sofrem agressões devido a essa falta de apoio por parte de quem deveria prestá-lo.
 
“Eu acho que o governo tem que dar mais segurança para os servidores. Esses servidores são maltratados ai devido a pandemia, desanimados por causa do salário que não condiz com o seu custo de vida e ainda vem agressão por pacientes”, ressalta.
 
Confira a nota da Sesau:
 
A Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) esclarece que os profissionais da saúde agredidos por uma paciente psiquiátrica no Hospital João Paulo II estão recebendo todo o suporte médico necessário. Nos últimos três meses, com toda a dificuldade da estrutura hospitalar, a unidade atendeu mais de 450 pacientes psiquiátricos. 
 
A paciente de Vista Alegre do Abunã deu entrada no Hospital João Paulo II com sinais de agitação e agressividade e durante o atendimento agrediu os profissionais da unidade. A paciente foi transferida para a psiquiatria do Hospital de Base Dr. Ary Pinheiro.
 
Atualmente, estão internados na psiquiatria do Hospital de Base 30 pacientes feminino e 28 masculinos. Todos recebem um tratamento humanizado.
Direito ao esquecimento

Você concorda que a avenida 7 de Setembro, no centro de Porto Velho, seja de mão dupla?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública. Vote quantas vezes quiser!

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS