ABUSOS: Preços de combustíveis e alimentos básicos disparam em Porto Velho

Quem vive de salário mínimo, terá dificuldades até para se alimentar; Em poucas horas, preços subiram mais de 25%

ABUSOS: Preços de combustíveis e alimentos básicos disparam em Porto Velho

Foto: Felipe Corona/Rondoniaovivo

Poucas horas depois dos caminhoneiros iniciarem os bloqueios pela BR-364, o portovelhense já sentiu o impacto no bolso. Em alguns mercados, os reajustes nos preços dos alimentos básicos aconteceu em minutos. Às vezes, durante o tempo de espera na fila.
 
Foi o que aconteceu com a microempresária Indira Jara, que pegou na gôndola o tomate por R$ 3,90 o quilo e foi surpreendida no caixa com preço 25% maior, cerca de meia hora depois: R$ 4,80. O fato aconteceu em um atacadista, na Rua da Beira, bairro Lagoinha.
 
“Eu não acreditei. Fiz barraco sim! Isso é um absurdo. Mal saímos de uma crise causada pela pandemia e vemos aproveitadores subirem os preços em questão de horas, com estoques cheios. Meu dinheiro é suado. Não vou deixarem levar o pouco que tenho na mão grande”, disse ela.
 
 
Outros consumidores também reclamaram ao Rondoniaovivo do preço da carne, arroz e feijão, por exemplo. Com a correria causada após o anúncio do fechamento das estradas pelo país, no começo da tarde da quarta-feira (08), empresários aproveitaram para aumentar a margem de lucro (e encher os bolsos) em postos de combustíveis, supermercados e mercados na capital de Rondônia.
 
Gasolina
 
Por volta das 04 da manhã, a reportagem do Rondoniaovivo percorreu alguns postos de combustíveis da zona Sul para ver como estava o movimento. No primeiro, localizado na Avenida Campos Sales, esquina com Algodoeiro, bairro Eletronorte, não havia mais nenhum produto disponível.
 
Cerca de 500 metros dali, em outro posto próximo ao Hospital e Pronto Socorro João Paulo II, de acordo com o frentista, havia bastante gasolina e álcool. Porém, o consumidor teria que pagar um preço mais salgado: de R$ 6,08 para R$ 6,28. 
 
“Aumentaram o preço meia-noite. As pessoas reclamam, mas não posso fazer nada. Sou apenas um funcionário”, falou o frentista de plantão, que pediu para não ter a identidade divulgada.
 
 
O motorista de ônibus João Macedo, que estava indo trabalhar, ficou revoltado ao ver o preço subir em poucas horas. 
 
“É impressionante. O brasileiro só se prejudica! Fica defendendo político e só se arrebenta! Nem Lula, nem Dilma, nem Bolsonaro! O povo tem que pensar em si. Tava na cara que isso ia acontecer. Fecha estrada, sobe tudo. Só ver o que aconteceu naquela greve em 2018. Agora, a tendência é só piorar! A gasolina vai chegar em 10 reais o litro”, desabafou.
 
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

M de F Moreira

M Farinha LTDA

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS