BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

DIA DA AMAZÔNIA: Rondônia ressalta o esforço de órgãos no combate aos ilícitos ambientais

A regularização fundiária em Rondônia [que faz parte da Amazônia Ocidental Brasileira] ainda pesa no cômputo dos problemas a serem solucionados.

GOVERNO DE RO

05 de Setembro de 2020 às 11:21

Atualizada em : 06 de Setembro de 2020 às 11:01

Foto: Divulgação

Operações executadas pelas Forças Armadas, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Secretaria Estadual do Desenvolvimento Ambiental (Sedam), com a colaboração de diversos órgãos, visam combater os ilícitos ambientais no Estado.
 
A regularização fundiária em Rondônia [que faz parte da Amazônia Ocidental Brasileira] ainda pesa no cômputo dos problemas a serem solucionados. Financiamento e assistência rural, reivindicados desde o final dos anos 1970, voltam à pauta no período da pandemia mundial do coronavírus.
 
No Dia da Amazônia*, lembrado neste sábado, ainda não se pode comemorar a vitória, mas os responsáveis pelas operações revelam que os resultados já superam os de 2019.
 
A destruição de áreas florestais tem prejudicado a cada ano a biodiversidade, por causar a perda de espécies e também comunidades tradicionais.
 
Em apoio à Operação Hileia, que combate crimes ambientais em Rondônia, o Grupamento de Operações Aéreas do Corpo de Bombeiros Militar de Rondônia facilitou o embargo de 7,3 mil hectares de terras. A operação lavrou R$ 83 milhões em multas.
 
O Congresso Nacional aprovou em agosto a abertura de crédito suplementar de R$ 616 milhões para três Ministérios. Do total, R$ 410 milhões serão usados pelas Forças Armadas na Operação Verde Brasil 2, de combate a crimes ambientais na Amazônia.
 
“Estamos bastante empolgados com o resultado da operação, especialmente com a intensificação de ações após a liberação de recursos”, disse o porta-voz do Ministério da Defesa, Almirante Carlos Chagas.
 
Ele falou no dia 31 de agosto ao programa de rádio Por Dentro da Amazônia, do presidente do Conselho Nacional da Amazônia e vice-presidente da República, general Hamilton Mourão.
 
Segundo o Almirante Chagas, os atuais resultados superam em mais de três vezes a Operação Verde Brasil I, em 2019.
 
“Um dos grandes referenciais desta operação é o trabalho de sinergia do Grupo de Integração Para a Proteção da Amazônia, com o Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam), Ibama, ICMBio, Instituto Nacional de Pesquisas (Inpe),  Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Fundação Nacional do Índio (Funai), Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Serviço Florestal Brasileiro e Agência Nacional de Mineração”.
 
O porta-voz assinalou que as ações agora serão concentradas “em alvos prioritários”. Já o general Mourão afirmou que o empenho, o esforço e a cooperação das equipes da Operação Verde Brasil 2, e da população da Amazônia  refletirão “na redução dos ilícitos ambientais, e isso resulta a melhor resposta que o Brasil pode dar à Comunidade Internacional”.
 
Duzentos policiais militares ambientais atuam em todo o Estado. Contra queimadas e derrubadas ilegais, a 17ª Brigada de Infantaria de Selva lançou recentemente o aplicativo Guardiões da Amazônia [no Google Play], exclusivamente voltado ao combate de ilícitos ambientais. A população pode utilizá-lo para fiscalização e denúncias.
 
A Coordenadoria de Educação Ambiental da Secretaria Estadual do Desenvolvimento Ambiental (Sedam) vem advertindo que queimadas e Covid-19 só abarrotariam a rede hospitalar.
 
De modo geral, mesmo havendo alguma redução nos desmatamentos, se comparados aos que ocorreram uma década atrás, o Ministério do Meio Ambiente ainda vê intensa destruição na Amazônia.
 
Basta ver os números de valores oriundos de multas aplicadas durante a fiscalização policial e das Forças Armadas.
 
DEFESA CIVIL
 
Nota da Defesa Civil, que atua no Corpo de Bombeiros Militar de Rondônia cumprimenta a população no Dia da Amazônia, exaltando a atuação do Exército Brasileiro no campo social.
 
Ao enfatizar seu papel como força auxiliar, a Defesa Civil lembrou seu trabalho em ações preventivas no cadastramento da população de risco e vulneráveis; nas ações de socorro em grandes enchentes; e nos incêndios florestais que sazonalmente acometem a região amazônica.
 
“Seja nas ações de assistencialismo humanitário, levando alimento, remédios e outros suprimentos em momentos de flagelo, ou ainda na reconstrução e restabelecimento da paz social, onde assim o requeira”, assinala a nota.
 
* O 5 de setembro se deve à criação da Província do Amazonas, nessa mesma data, em 1850, por D. Pedro II.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS