BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

Gastos e prejuízos aos municípios em falta de um aterro sanitário

.

Assessoria

16 de Fevereiro de 2018 às 13:29

Foto: Divulgação

De acordo com dados da Associação Internacional de Resíduos Sólidos, cerca de 75 milhões de brasileiros têm seu lixo depositado em locais inadequados, o que acaba gerando de forma evidente grandes impactos ao meio ambiente e na saúde da população.

 

Todo este lixo provoca um prejuízo ao governo brasileiro por volta de R$ 1,5 bilhão por ano através do Sistema Único de Saúde, por meio de doenças causadas devido o acondicionamento incorreto.

 

Pesquisa mostra uma previsão de que até 2021 a produção de resíduos sólidos provoque um prejuízo de R$ 13 bilhões a R$ 18,6 bilhões no Brasil. Já imaginou?

 

Os aterros sanitários ainda são os principais meios mais econômicos para a disposição final dos resíduos sólidos urbanos, além de, garantir mais saúde e proteção ao meio ambiente. A falta de um aterro sanitário numa cidade acaba atingindo de forma direta a saúde das pessoas, e refletindo na economia do município principalmente no setor da saúde, pois existe uma demanda considerável na procura por unidades de atendimento por parte de pacientes que tiveram algum tipo de doença relacionada à exposição direta com o lixo. Entre esses pacientes podemos citar principalmente as crianças que tiveram contato com algum tipo de resíduo sólido, ou apresentaram problemas respiratórios em razão da fumaça resultante da queima do lixo. Podemos citar como exemplo a cidade de Cacoal, de acordo com a secretária municipal de saúde, a procura por este tipo de atendimento diminuiu em mais de 75% após a implantação do aterro sanitário em 2016. Antes disso as unidades básicas de saúde do município recebiam o número expressivo de pessoas contaminadas por algum tipo de doença infectocontagiosa vinculadas a problemas com o lixo doméstico, como hepatites, bronquite ou doenças dermatológicas, o que anualmente gerava gastos no orçamento da saúde do município.

 

Hoje a realidade é outra, a cidade já dispões de um aterro sanitário que recebe e acondiciona o lixo de forma correta e sustentável. O aterro é de propriedade da empresa MFM SOLUÇÕES AMBIENTAIS que também processa resíduos sólidos na cidade de Vilhena – RO, uma empresa séria e comprometida com o futuro.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS