BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

CANDEIAS - Hotel lança água servida na rua e prejudica comerciantes do entorno, deputado se defende de acusações

Segundo os comerciantes, a lama que surgiu em frente aos seus respectivos estabelecimentos é proveniente do sistema de hidráulico do hotel Modelo, que não suporta mais a grande quantidade de água do esgoto doméstico da referida pousada.

Da Redação

17 de Maio de 2011 às 09:09

Foto: Divulgação

Um registro de ocorrência na delegacia de Candeias do Jamari, município a cerca de 20 km da capital acusou o deputado federal Lindomar Garçon de ter caluniado uma comerciante da localidade. O Rondoniaovivo foi conferir a situação e encontrou muita lama e água fétida no meio da via pública. E duas versões para o mesmo caso.
O hotel da empresária que acusou o deputado Garçon de ter-lhe chamado a atenção publicamente realmente está jogando água servida na rua. Moradores e comerciantes da rua Zacarias Vicente, uma das principais vias de acesso do município estão revoltados com a falta zelo e limpeza da frente do hotel Modelo que fica na entrada da cidade.
Segundo os comerciantes, a lama que surgiu em frente aos seus respectivos estabelecimentos é proveniente do sistema de hidráulico do Hotel Modelo, que não suporta mais a grande quantidade de água do esgoto doméstico da referida pousada.
A suposta vitima, Sandra Maria acusa a prefeitura municipal pela falta de sistema de drenagem de águas pluviais da via. Por outro lado, o que se percebe é que a água provêm de uma tubulação oriunda do Hotel.
O deputado Garçom disse que não citou nomes durante uma carreata, porém afirma que fez alusão que o local estava feio e que poderiam acabar com a podridão cavando um simples sumidouro. “Tenho dezenas de testemunhas que não fiquei achincalhando a moradora, quem me conhece sabe que não tenho esta postura agressiva e irresponsável” disse o deputado.
Ao final da visita a Candeias do Jamari, o Rondoniaovivo só tem uma certeza. Na frente do Hotel tem uma poça de lama proveniente da água servida e a empresária devia cuidar da frente de seu estabelecimento.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS