BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

PORTO VELHO: Breno Mendes quer ampliar horário de UBS: 'Espera 12h em UPAs é desumano'

A demanda de pacientes que não encontram atendimento nas unidades de saúde próximas à sua residência superlota as UPAs e o Ana Adelaide

ASSESSORIA

16 de Outubro de 2020 às 16:59

Atualizada em : 16 de Outubro de 2020 às 17:00

Foto: Divulgação

Quem recebe uma pulseira verde na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) chega a esperar até 12 horas para ser atendido. Para Breno Mendes, conhecido como Fiscal do Povo, um dos focos de seus projetos voltado à saúde pública está na ampliação dos horários de atendimento nos postos de saúde, além de aumentar o número de equipes do Programa de Saúde da Família (PSF) para fazer o acompanhamento dos pacientes. 
 
“Eu me identifico com aquele pai ou mãe que chega na UPA e recebe a ficha verde e passa horas esperando atendimento. Este paciente pode ser atendido no posto de saúde, mas quando chega lá ou já tá fechado ou não tem vaga. Por isso vou ajustar o horário dos postos para que passem a funcionar até às 21 horas. Assim a gente também melhora a qualidade no atendimento de quem realmente precisa de uma UPA para casos de urgência e emergência”, defende o Fiscal do Povo.
 
 
O candidato ainda completa: “É inadmissível Porto Velho ter menos de 50% de cobertura de equipes de saúde da família. Eu vou aumentar o número de equipes e ainda estruturar os agentes com tecnologia para que possam ter melhor qualidade de trabalho e controle das famílias que atendem”, promete Breno Mendes.
 
“Eu sou pai de cinco filhos e nunca sabemos quando vamos precisar de atendimento médico. Se a gente ajustar os horários para que os postinhos possam fechar mais tarde, conseguimos descentralizar os atendimentos e reduzir as filas dos hospitais”, defendeu Breno Mendes.
 
Tecnicamente isso é possível alinhando o Departamentos de Atenção Básica (DAB) com o Departamento de Média Complexidade (UPA,  SAMU e centro de especialidades médicas para consultas e exames especializados) para que aquele paciente que chega numa UPA e é pulseira verde seja recebido por um profissional que direcione a pessoa imediatamente à unidade básica de saúde mais próxima, “já com a garantia do atendimento”, especifica o candidato a prefeito da capital.
 
Texto: Da assessoria
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS