PESQUISA: Cinema nacional é mais visto por grupos de maior renda e escolaridade

Consumo de produções brasileiras é menor na classe DE, tanto na tela grande dos cinemas como nas plataformas de streaming, aponta pesquisa Itaú Cultural / Datafolha

PESQUISA: Cinema nacional é mais visto por grupos de maior renda e escolaridade

Foto: Divulgação

A volta dos consumidores aos cinemas vai ser um desafio para os realizadores brasileiros. Pesquisa realizada pelo Itaú Cultural e Datafolha sobre os hábitos culturais durante a pandemia mostra que entre os espectadores que costumam ir ao cinema ou foram a uma sessão com a reabertura (60% dos brasileiros), só 24% declararam ter visto muitas vezes um filme nacional na tela grande. A maioria (57%) declara que viu poucas vezes produções locais e 19% dizem que nunca viram um filme nacional nos cinemas.
 
“Conhecer mais a dinâmica das preferências, frequência e desejos dos brasileiros sobre o cinema possibilita pensar em melhores políticas e ações culturais para a cena cinematográfica nacional de modo a acessar a todos os públicos junto ao universo ‘fisidigital’, ou seja, a hibridez entre o virtual e o presencial, que ganha cada vez mais potência”, observa Eduardo Saron, diretor do Itaú Cultural.
O levantamento ouviu 2.276 indivíduos em todo o Brasil, de 16 a 65 anos, entre os dias 10 de maio e 9 de junho. O índice de confiabilidade é de 95% e a margem de erro é de três pontos para mais ou para menos.
 
Segundo a pesquisa, o hábito de assistir a filmes nacionais no cinema é maior entre os indivíduos de maior renda: dos que viram muitas vezes, 31% são da classe AB, 23% são da classe C e 12% são indivíduos da classe DE. Entre os que viram poucas vezes, a tendência se inverte: 53% são da classe AB, 59% são da classe C, e 62% são da DE. O índice dos que nunca viram um filme nacional no cinema é menor na classe AB (16%) e maior nas classes C (18%) e DE (26%).
 
A escolaridade também influencia a aderência aos filmes nacionais nos cinemas. Quanto maior o grau de instrução, maior a frequência que o indivíduo declara ver produções nacionais. De acordo com o levantamento, 31% dos indivíduos com formação superior afirmam ter visto filmes nacionais muitas vezes no cinema. O índice é de 24% entre os indivíduos com ensino médio e de 13% entre os indivíduos que contam apenas com o ensino fundamental.
 
No sentido contrário, quanto menor a escolaridade mais afastado do cinema nacional o espectador se posiciona. Entre os que assistiram poucas vezes a filmes nacionais no cinema, 54% têm formação universitária, 58% têm ensino médio e 61% só contam com o fundamental. Entre os que nunca viram um filme nacional na sala escura, 14% têm ensino superior, 19% têm ensino médio e 26% têm ensino fundamental.
 
O estrato que diz ter visto poucas vezes filmes nacionais nos cinemas é maior entre as mulheres (60%) do que entre os homens (55%). Entre os que dizem nunca ter visto um filme nacional nos cinemas, os homens são a maior parcela (21%), enquanto as mulheres somam 16%. No grupo dos que dizem ter visto muitas produções nacionais, homens e mulheres se igualam em 24% da amostra.
 
 
Por distribuição geográfica, o Norte e Centro-Oeste do país são as regiões em que há maior parcela de brasileiros que nunca viram um filme nacional nos cinemas (28%), seguida pelo Sul (21%), Sudeste (17%) e Nordeste (14%). No interior do país, o índice é de 22% contra 16% verificado nas capitais.
 
O estudo Itaú Cultural/Datafolha também apurou que a aderência aos filmes nacionais nos cinemas é maior entre os cariocas do que os paulistanos. Na região metropolitana do Rio de Janeiro, 33% da amostra declarou ter visto muitas vezes produções nacionais nos cinemas. Na região metropolitana de São Paulo, o índice é de 28%. Entre os que viram poucas vezes, o índice é de 52% na Grande São Paulo e de 58% na Grande Rio. 
 
Streaming
A pesquisa Itaú Cultural/Datafolha levantou também o consumo de filmes nacionais nas plataformas de streaming. Entre os que têm acesso a vídeos sob demanda (71% da amostra), 23% declaram que viram muitas vezes filmes nacionais nesta modalidade de acesso, 56% disseram que viram poucas produções nacionais e 22% declararam nunca terem assistido a um filme brasileiro neste formato.
 
Assim como ocorre nos cinemas, os que mais acessam filmes brasileiros nas plataformas de streaming são os indivíduos de maior renda e maior escolaridade. Na classe AB, o índice dos que viram muitas vezes são 32%, na classe C são 18% e 16% na DE.
 
Na classe AB, o grupo dos que viram poucas vezes filmes nacionais no streaming soma 53%. Na C, são 57%, mesmo índice da DE. Os que nunca viram uma produção nacional em plataformas sob demanda, na classe AB são 16%; na C, 25% e na DE, 27%.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS