PEDRO ABIB: Advogado e professor universitário publica livro 'Democracia, Participação Popular e Desenvolvimento'

O estudo foi realizado entre os anos de 2017-2018 e teve a atualização de dados entre os anos de 2019-2020

PEDRO ABIB: Advogado e professor universitário publica livro 'Democracia, Participação Popular e Desenvolvimento'

Foto: Divulgação

 

O advogado e professor Pedro Abib Hecktheuer, atual diretor acadêmico da Faculdade Católica de Rondônia (FCR), publicou o livro “Democracia sem Participação Popular Gera Desenvolvimento? Uma Análise no Brasil Após a Redemocratização”, pela Editora Appris. A obra faz um complexo estudo sobre as categorias Democracia, Participação Popular, Desenvolvimento, e Direitos Sociais, além de apresentar dados de uma pesquisa empírica e documental realizada em relação a participação direta da população no país. O investimento é de R$ 49,00 + frete (versão impressa) e pode ser adquirido aqui.

 

O estudo foi realizado entre os anos de 2017-2018 e teve a atualização de dados entre os anos de 2019-2020 visando a sua publicação. Em 162 páginas, Pedro Abib defende a profunda relação existente entre democracia, a participação popular e o desenvolvimento. “Apresenta-se o fenômeno do desenvolvimento como algo muito mais amplo que aquela compreensão meramente economicista, mas relacionado diretamente com a ideia de liberdade. É que é ele um fenômeno multidimensional e cada uma destas – as dimensões - está interrelacionada, sem as quais não se pode dizer que há desenvolvimento”, disse.

 

 

Ao justificar as reflexões Abib lembrou que um referencial teórico utilizado como base dessa defesa é o pensamento de Amartya Sen, professor de economia e filosofia na Universidade Harvard, que oferece uma nova perspectiva da ideia de desenvolvimento.

 

Se não há educação e nem saúde, se há uma expectativa de vida baixa, ou mesmo se não há participação popular para as pessoas possam decidir sobre os direitos que a própria população poderá gozar, não há como se falar que há, nesse lugar, um verdadeiro desenvolvimento humano, ainda que haja muita opulência econômica. Aprofundei o estudo e percebi que a Constituição Federal acolhe essa mesma perspectiva de desenvolvimento, assim como privilegia a participação popular. Acontece, que, posterior à promulgação desta Constituição, as legislações que deveriam regulamentar a participação popular não o fizeram”, detalhou o autor.

 

OS RESULTADOS E IMPASSES

 

De acordo com o autor, os mecanismos de participação direta no Brasil são praticamente inexistentes ou foram fadados ao insucesso, isto porque o próprio modelo de Democracia vigente dificulta e afasta a população do poder.

Concluiu, o autor, que inexiste “participação popular no processo legislativo brasileiro, não só relacionado aos direitos sociais, mas sobre toda e qualquer matéria no âmbito da formação das leis” e afirmou, ainda, que “isso é uma limitação significativa à liberdade política da população brasileira, e impede, via de consequência, que a população possa decidir sobre aqueles direitos essenciais para que usufruam de suas liberdades instrumentais ao desenvolvimento”.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

FP Baby LTDA

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS