PRESSÃO: Transportadores de combustível iniciam greve contra aumentos do diesel

A principal reivindicação da categoria é a redução dos preços do diesel, do gás de cozinha, da gasolina e de outros derivados do petróleo

PRESSÃO: Transportadores de combustível iniciam greve contra aumentos do diesel

Foto: Divulgação

A paralisação anunciada por empresas transportadoras de combustíveis está sendo realizada em pelo menos 2 Estados. No Rio de Janeiro e em Minas Gerais, a categoria parou de trabalhar na última quinta-feira (21.out.2021)
 
Ao jornal, Ailton Gomes, presidente da Associtanque (Associação das Transportadoras de Combustíveis e Derivados do Petróleo do Rio de Janeiro), afirmou que a paralisação “não tem volta” no Rio.
 
“Transporte de combustível está completamente parado em todo o Estado”, afirmou. “Estamos dispostos a pressão total.”
 
A principal reivindicação da categoria é a redução dos preços do diesel, do gás de cozinha, da gasolina e de outros derivados do petróleo. Pela pauta, Gomes afirma que espera adesão da sociedade. “Todos são afetados, está caro para todo mundo”, disse.
 
O presidente da associação afirma que até o momento a categoria não foi abordada por nenhum representante governamental para conversar ou para tentar iniciar um diálogo. Gomes também disse que as distribuidoras estão querendo “forçar” as empresas e trabalhadores do setor de transporte a retornar ao trabalho....
 
Questionado sobre quais seriam as ações das distribuidoras, ele preferiu não comentar. “A verdade é que com essa situação estão enriquecendo e a gente enriquecendo.”
 
Gomes afirma que apesar de o movimento estar acontecendo também em Minas Gerais, cada Estado está agindo segundo o seu contexto. Mas, segundo ele, não há data para os trabalhadores do setor retornarem com as entregas.
 
No caso de desabastecimento, segundo ele, apenas os serviços essenciais serão atendidos, atendendo ao que estipula a lei. “Evitar o desabastecimento só depende deles [governo].”
 
O lockout das empresas transportadoras antecipa a greve marcada pela Abrava (Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores), que representa a categoria, para 1º de novembro. A pauta de reivindicações dos caminhoneiros autônomos tem também como prioridade a revisão da política de preços da Petrobras.
 
Até 16 de outubro, segundo dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), o preço médio do diesel chegou a R$5,03 por litro. A gasolina foi a R$ 6,32, o etanol a R$ 4,82 e o gás de cozinha, R$ 100,44. Em alguns locais, a gasolina pode chegar a R$ 7,49 por litro.
 
 
Direito ao esquecimento

Você é a favor ou contra o garimpo no Rio Madeira?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública. Vote quantas vezes quiser!

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS