BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

TRAGÉDIA: Avião cai em plantação de soja, pega fogo e piloto morre carbonizado

Segundo testemunhas, o avião teria sobrevoado o município durante a manhã sem nenhum problema, porém, no início da tarde ao levantar voo novamente com destino a São Paulo, a aeronave caiu.

REPORTER MT

13 de Abril de 2020 às 17:31

Foto: Divulgação

O piloto Miguel Cardim Medeiros, de 37 anos, morreu carbonizado no início da tarde desta segunda-feira (13) após o avião em que estava cair e pegar fogo em meio a uma lavoura de soja do município de Campo Verde, MT, (131 km da Capital do Mato Grosso).

Segundo testemunhas, o avião teria sobrevoado o município durante a manhã sem nenhum problema, porém, no início da tarde ao levantar voo novamente com destino a São Paulo, a aeronave caiu.

De acordo o delegado Mario Roberto de Souza, o avião era considerado novo, fabricado em 2004, e com capacidade para oito passageiros, mas no momento do acidente apenas Miguel estava no veículo.

Ainda não há informações sobre as causas do acidente.

A Polícia Militar (PM) deu apoio à ocorrência e isolou a área para que os órgãos competentes pudessem dar procedimento às providências cabíveis.

O Corpo de Bombeiros foi acionado por volta das 13h para atender à ocorrência e combater o incêndio que a queda da aeronave causou na região, com chamas altas e com uma nuvem de fumaça preta que tomou conta do local. Foi necessário cerca de quatro mil litros de água para controlar as chamas e em seguida fazer o rescaldo dos destroços.

Parte da plantação e o avião ficaram completamente destruídos pelas chamas.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado, mas o piloto morreu no meio do incêndio

Após os trabalhos dos bombeiros, a Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) compareceu ao local, analisou os restos mortais da vítima e ainda colheu informações técnicas que ajudem a apontar as causas do acidente. Em seguida, o cadáver foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) antes de ser liberado para procedimentos fúnebres junto à família.

A Polícia Civil acompanhou todo o trabalho da perícia e aguarda o laudo técnico que dará base às investigações.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS