BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

FORA DO AR: Netflix vai ao STF contra censura de especial do Porta dos Fundos

A expectativa é que o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, tome uma decisão sobre o caso ainda nesta quinta

o dia

09 de Janeiro de 2020 às 15:59

Foto: Divulgação

 Netflix apresentou, nesta quinta-feira, um pedido de reclamação ao Supremo Tribunal Federal (STF), com o objetivo de derrubar a decisão do desembargador Benedicto Abicair, que determinou que a plataforma de streaming tire do ar o 'Especial de Natal Porta dos Fundos: A Primeira Tentação de Cristo'. 

 

Em nota enviada ao DIA, o porta-voz da Netflix disse que a empresa apoia "fortemente a expressão artística e vamos lutar para defender esse importante princípio, que é o coração de grandes histórias".

 

De acordo com o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, a decisão do magistrado se deu porque "a honra e a dignidade de milhões de católicos foi gravemente vilipendiada pelos réus, já que o especial de Natal mostra Jesus como homossexual, Maria uma adultera desbocada e José como um idiota traído".

 

A expectativa é que o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, tome uma decisão sobre o caso ainda nesta quinta.

 

Suspeito de atacar sede do Porta dos Fundos comemora decisão

 

O economista Eduardo Fauzi Richard Cerquise, de 41 anos, comemorou a decisão da Justiça do Rio que determinou a retirada do Especial de Natal do Porta dos Fundos "A Última Tentação de Cristo" da Netflix. A decisão foi dada nesta quarta-feira pelo desembargador da Sexta Câmara Cível do Rio Benedicto Abicair.

 

"Tremendo de frio de satisfação, de alegria, porque a Sexta Câmara Cível no Rio de Janeiro, se não me engano, mandou retirar, ainda que liminarmente, o especial blasfemo do Porta dos Fundos", Fauzi começou, em um vídeo gravado, na noite de ontem, em Moscou (assista mais abaixo). "Essa vitória é uma vitória de todo o povo brasileiro".

 

Fauzi é um dos suspeitos de ter participado do ataque com coquetéis molotov à sede da produtora, no Humaitá, na Zona Sul do Rio, na madrugada da véspera de Natal. Cinco dias depois, ele viajou para a Rússia, onde permanece desde então.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS