BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

RONDÔNIA: Produtor rural foi fundamental para obtenção do reconhecimento de área livre de aftosa

Campanha de declaração de rebanho fez parte das ações da Agência Idaron para o reconhecimento nacional

SECOM - GOVERNO DE RONDÔNIA

20 de Agosto de 2020 às 13:37

Foto: Divulgação

 

SECOM - O Governo do Estado, por meio da Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril (Idaron), destaca e agradece a todos os produtores rurais pelo empenho e participação nas ações de combate à Febre Aftosa desenvolvidas pelo Estado. Essa parceria, entre Governo e produtor, que vem se fortalecendo ao longo de 20 anos, resultou, nesta semana, na publicação da Instrução Normativa nº 52, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que reconhece Rondônia, dentre outros estados, como área livre de Febre Aftosa sem vacinação.
 
A Instrução Normativa, que entrará em vigor a partir de 1º de setembro, faz parte do Plano Estratégico Nacional implantado no país em 2017, que visa a suspensão gradativa da vacinação contra Febre Aftosa no Brasil.
 
“Não foi fácil, mas os pecuaristas, em todas as regiões desse imenso Estado, abraçaram a causa. Hoje, temos um rebanho sadio que, com o reconhecimento do Mapa, ganha maior valor de venda no mercado internacional”, desataca o presidente da Idaron, o médico veterinário Júlio Cesar Rocha Peres.
 
Destaque também para o Fundo Emergencial de Febre Aftosa do Estado de Rondônia (Fefa) que, de 2013 a 2020, investiu mais de R$ 1,7 milhões através das ações de apoio à defesa sanitária rondoniense. “Em menos de dois anos, 2019 e 2020, foram investidos R$ 782 mil”, acentua Júlio Cesar. “Então, essa não é uma conquista só do Governo, mas de toda a população, principalmente dos criadores que cumprem à risca, com responsabilidade e zelo, todas as etapas estabelecidas pelo Mapa, para a obtenção do status internacional de área livre de febre aftosa sem vacinação, título que esperamos obter em maio do próximo ano, com chancela da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE)”, concluiu.
 
 
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS