ALERTA: Notificação prévia de gado doente pode evitar prejuízos ao produtor

O alerta é feito pela Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril de Rondônia (Idaron)

ALERTA: Notificação prévia de gado doente pode evitar prejuízos ao produtor

Foto: SECOM-GOVERNO DE RONDÔNIA

A notificação, em até 24 horas, de enfermidade em animais, bovinos, caprinos ou suínos, ao serviço veterinário oficial, além de evitar que a doença se propague, com prejuízos à produção agropecuária, facilita e torna mais eficaz o trabalho de sanidade animal desenvolvido pelo governo do Estado. O alerta é feito pela Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril de Rondônia (Idaron) que, neste mês de janeiro, em uma mesma propriedade, registrou a morte de 13 bovinos por suspeita de raiva, em Cabixi, regional de Vilhena.

 

A Agência só foi notificada do foco depois da morte de 12 animais. O 13o caso foi acompanhado de perto por técnicos da Idaron, com observação de sinais clínicos e recolhimento de material para exames que levaram à confirmação de contaminação pelo vírus da raiva.

 

Imediatamente, após a identificação do foco, a Idaron iniciou a aplicação de medidas sanitárias em áreas de foco e perifoco, com o objetivo de controlar e prevenir a ocorrência de novos casos da doença, conforme preconizado pelo Programa Nacional de Controle da Raiva dos Herbívoros (PNCRH), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

 

Dentre as várias medidas adotadas pela Agência Idaron, está a investigação epidemiológica na propriedade de origem, análise de trânsito dentro do período de incubação da doença e notificação de produtores rurais para vacinação focal e perifocal, abrangendo todos os herbívoros existentes nas propriedades em um raio de até 12 quilômetros. Após a vacinação, a medida seguinte é a declaração da vacinação à Idaron.

 

A raiva não tem cura, logo, a vacinação é a única forma de conter os focos da doença e garantir um rebanho saudável, salientou o presidente da Idaron, o médico veterinário Júlio Cesar Rocha Peres.

 

 

O CASO

 

O foco foi identificado no último dia 6 deste mês de janeiro, através da notificação feita pela filha do dono da propriedade. Segundo registro, o evento teve início dia 20 de dezembro do ano passado. 12 cabeças de gado morreram e estavam todas enterradas.

 

Através de filmagens feitas pelo gerente da fazenda, os técnicos da Idaron puderam analisar o comportamento clínico de três dos animais mortos. Todos apresentaram falta de coordenação motora e andar cambaleante.

 

O gerente da propriedade disse que não notou marca de mordedura de morcego, mas conta que já chegou a usar pasta vampiricida na propriedade. Ele foi orientado a vacinar o rebanho contra a raiva e, como entrou em contato com os animais suspeitos, foi indicado para que procurasse um posto de saúde. Também foi feita uma notificação de agravo à saúde, oficialmente, para o secretário de saúde do Município.

 

No dia 13 deste mês, o gerente da propriedade ligou para a ULSAV (Unidade Local de Sanidade Animal e Vegetal) de Colorado do Oeste, informando que havia dois bezerros doentes. Eram dois machos de aproximadamente 70 dias de vida. O primeiro observado estava deitado lateralmente. Com a aproximação do veterinário da Idaron, o animal se levantou, mas apresentava tremores de cabeça e incoordenação motora, além de salivação.

 

O outro animal também foi encontrado em repouso, deitado, apresentava salivação, orelhas eretas e ausência de reflexo em partes do corpo. Como era o mais debilitado foi sacrificado para análise.

 

A Idaron tomou as medidas sanitárias necessárias e segue monitorando as propriedades na região, colocando-se à disposição para recebimento de suspeitas de doenças nas suas unidades, pelo site ou telefone 0800 643 4337.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS