Brincando com a vida alheia - Por Valdemir Caldas

Já disse alguém que os homens públicos mostram seu valor e sua capacidade para o exercício de funções de direção, quando mais graves se apresentam as condições em que operam. Não sem motivo a expressão popular segundo a qual “com dinheiro até um burro governa”. O problema é quando os recursos são escassos.
 
Poucos são aqueles que compreendem as dificuldades e veem luz onde muitos só enxergam trevas, mostrando caminhos e tomando decisões coerentes com os interesses da maioria. Essa é uma das características de um administrador competente, mas que não parece servir de inspiração para muitos que nos governam. 
O Brasil vive uma das piores crises sanitárias de sua história. Milhões de brasileiros já perderam suas vidas para um vírus maldito e outros tantos lutam em suas casas e nos leitos de hospitais para sobreviver. Enquanto isso, dirigentes públicos irresponsáveis, mergulhados no egocentrismo delirante, alimentados por setores da mídia, mal-acostumados a engordarem suas receitas com verbas públicas, em vez de unir foças para derrotar o inimigo, se atiram em discussões estéreis que em nada contribuem para resolver o problema, evidenciando que não estão nem ai para o sofrimento da população.
 
Pode-se discordar de decisões de um dirigente público, mas negar-lhe méritos, quando eles estão à mostra não é só desonesto, mas antissocial. E estamos bem diante de um exemplo desses, em que o interesse coletivo, que deveria ser objeto de inspiração e fio condutor para os que nos comandam, simplesmente cedeu lugar ao egoísmo e a brincadeiras de mau gosto. 
Direito ao esquecimento

Quem é o favorito ao título do Brasileirão 2021?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública.

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS