BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

O beijo de Judas - Por Valdemir Caldas

Por Valdemir Caldas

Por Valdemir Caldas

27 de Agosto de 2020 às 16:58

De todos os pecados mortais que, ao longo dos séculos vêm degradando a humanidade, existe um que, depois daquele beijo infame de Judas Iscariotes no rosto de Jesus Cristo, passou a encarnar a suprema mácula da indignidade de consciência, qual seja a traição motivada pelo vil metal ou pela ambição do poder.
 
Se, na vida diária, os caminhos a serem percorridos nos impõem, eventualmente, amargas experiências de relacionamento humano, corrompidas pela peçonha da traição, no mundo sombrio das atividades político-partidárias o beijo de Judas tornou-se prática corriqueira na etiqueta de oportunistas das mais diferentes matizes.
 
O Desembargador aposentado Walter Waltenberg Silva Junior, do Tribunal de Justiça de Rondônia, foi a mais recente vítima do beijo pérfido de Judas. Doutor Walter, como é mais conhecido, acreditou poder mudar, com sua nobreza moral, o rumo pervertido da politica local, colocando seu nome à disposição como pré-candidato à prefeitura de Porto Velho, mas acabou sendo atropelado pelo rolo compressor da mesquinhez que impregna a seara politica nacional.
 
Engane-se quem acha que doutor Walter perdeu alguma coisa. Pelo contrário, os verdadeiros perdedores de mais esse arranjo politico foram, além do partido, os que preferem apostar no passado falsamente morador e, principalmente, a população, que viu escorregar por entre os dedos a oportunidade de ter a frente do Executivo Municipal uma figura emblemática, cuja força moral é indiscutível. Doutor Walter saiu de cena da mesma forma como entrou, ou seja, incólume em sua hombridade, grandeza de caráter e espírito de auto-sacrifício.
 
Doutor Walter abriu mão de uma carreira brilhante no TJ-RO para assumir a direção de uma nova e difícil arrancada politico-administrativa de Porto Velho, cujo objetivo maior seria resgatar a dignidade do povo, mesmo sabendo dos pesados sacrifícios pessoais e familiares inerentes ao cargo, com absoluta coragem e espírito público, porém não esperava que nessa caminhada surgissem barreiras que, para serem transpostas, lhe exigiam a renúncia de princípios sobre os quais ele jamais transigiu.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS