BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

Opinião de Primeira - Quem vai salvar toda uma família ameaçada de morte? – Por Sérgio Pires

COLUNA

26 de Junho de 2013 às 09:50

Foto: Divulgação

Uma família inteira vive momentos de desespero em Rondônia, sem saber a quem recorrer. Ela é dona de uma fazenda, onde vários dos seus membros vivem há anos, incluindo a matriarca, de idade já avançada. Todos estão sob ameaça de morte vinda de membros da Liga dos Camponeses Pobres (a famigerada LCP), que utiliza táticas de guerrilha, põe crianças e grávidas à frente, quando a polícia aparece e que, as autoridades federais e estaduais fazem de conta que não existe. A propriedade, localizada próximo à cidade de Alvorada do Oeste, é vizinha de um acampamento do MST, onde vários líderes da LCP passeiam, como se fossem pessoas comuns e não gente armada, pronta para o ataque. A ameaça é concreta. Dias atrás, os moradores receberam um bilhete, acompanhado de cinco cartuchos de espingarda (alguém aí quer um recado mais direto?), avisando que se os donos da fazenda não a deixarem até o dia 30 próximo, isso mesmo, neste domingo que vem, o local será invadido e daí, todos poderão ser mortos. Um dos filhos da senhora que vive na fazenda voou correndo de São Paulo para Rondônia, tentando pedir ajuda às autoridades. Até agora, quem foi procurado lavou as mãos. A polícia avisa que só poderá agir se a invasão se concretizar. Mas e se a LCP cumprir suas ameaças e matar todo o mundo? Adiantará alguma coisa a polícia entrar na história depois?
O deputado federal Moreira Mendes foi informado das ameaças e do grave perigo que as famílias de Alvorada do Oeste e outras regiões do Estado estão correndo. Ele já denunciou vários casos semelhantes no plenário da Câmara Federal, mas todas as autoridades fazem ouvidos moucos. Moreira diz que responsabilizará publicamente o Governo de Rondônia, caso a LCP cumpra suas ameaças e invada terras onde famílias vivem e produzem há décadas. 
INSEGURANÇA JURÍDICA
O que se conclui é que é uma vergonha se viver num país onde as leis só valem para alguns e onde governantes e autoridades de todos os naipes fazem de conta que não estão vendo os criminosos agirem abertamente. Propriedades são invadidas e destruídas e, quando isso ocorre, reintegrações de posse podem levar até uma década para serem decididas na Justiça. Ninguém vai preso, ninguém está nos presídios. Não está na hora de mudar essa esculhambação e essa insegurança jurídica?
DEU PRÁ ENTENDER?
O povo foi aceitando. Primeiro, político não precisava pagar aluguel. Depois, não pagava suas correspondências. Depois, não pagava as contas telefônicas. Depois, foi a aposentadoria especial. A conta do celular. O atendimento médico privilegiado. A contratação de parentes, que depois passou para a contratação cruzada. Para não dar na cara, um político contrata o patente de outro que contrata o parente deste. E o povo foi fazendo de conta que não era com ele. Até que um dia, juntou tudo e explodiu. Capicce?
TIRO NO PÉ
A tática de tentar desmoralizar um político em ascensão - desde que não seja das fileiras do PT - continua sendo usada pelo Sintero e um grupo de professores, agora contra o prefeito de Ouro Preto, Alex Testoni. Nome que cresce como possível candidato ao governo, Testoni imediatamente tornou-se alvo da entidade que é o verdadeiro braço sindical dos petistas. Até agora não deu certo, porque Testoni não demonstrou temor aos adversários e nem aceitou as pressões. O tiro, aliás, pode acabar saindo pela culatra...
EXAGERANDO
Grupos de grevistas extrapolam. Não são todos, só alguns. Em Espigão do Oeste, no final de semana, hostilizaram o governador Confúcio Moura, passaram dos limites, tentaram até atacar o carro em que ele saía da Câmara de Vereadores. Sem conseguir o que querem pela negociação, já que o governo diz que não tem como atender as reivindicações, alguns grevistas estão passando dos limites. Nesses casos, não há diálogo. É a lei que tem que prevalecer. Quem não a respeitar, tem é que responder perante ela, a lei. Respeito é bom e todos o merecem.
SEM UTILIDADE AO PAÍS                                                                                               
Mereceria uma passeata gigantescas de protesto, em todo o país, a alienação dos partidos políticos em relação ao que pensa e exige o povo brasileiro. Assistir ao horário eleitoral gratuito, dá um misto de tristeza, incompreensão, insatisfação. Os programas eleitorais, sempre com os mesmos chavões e frases feitas, nada têm a ver com a realidade do povo brasileiro. Mas continuam iguais. Servem apenas para irritar e interromper a programação de rádio e TV. Não têm qualquer outra utilidade.
ATÉ QUE ENFIM!
Depois de longos anos, pelo menos se ensaia alguma medida real e prática contra o abandono de terrenos, tomados pelo mato, bichos,transformados em locais de encontros de marginais e bandidos. A Prefeitura de Porto Velho publicou edital no Estadão do Norte, dando dez dias para que os donos dos terrenos baldios os limpem, cerquem, enfim, cumpram a lei. Caso contrário, haverá multas e outras medidas. Mais da metade dos terrenos abandonados pertence à empreiteiras e construtoras. Tomara que o prefeito Nazif mantenha sua decisão e não volte atrás. Tem mais é que punir. E já!
PERGUNTINHA
Não está na hora do governo do Estado e bancada federal unirem forças e exigirem, para já, a transformação dos distritos de Tarilândia e da Ponta do Abunã em municípios?
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS