BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

+ 18: Clipe de Pabllo Vittar é censurado pelo YouTube e revolta fãs

A censura ao clipe de 'Parabéns' está dando o que falar nas redes sociais

NOTÍCIASAOMINUTO

21 de Janeiro de 2020 às 11:11

Foto: Divulgação

Após sofrer boicote em diversas rádios pelo Brasil, que decidiram não tocarem as músicas de Pabllo Vittar -algumas até com argumentos homofóbicos-, agora a drag queen está sendo censurada no YouTube.

 

A plataforma de vídeo bloqueou o clipe de 'Parabéns', parceria de Pabllo com Psirico, deixando visível apenas para maiores de 18 anos. Geralmente, a restrição de idade é colocada em vídeos com conteúdos explícito, cenas muito sensuais ou palavrões.

 

Após a restrição do YouTube, muitos internautas e a própria artista lamentaram a situação: "Continuem assistindo o clipe de 'Parabéns' e ouvindo nas plataformas Vittarlovers! Não vamos aceitar essa censura seletiva", disparou Pabllo.

 

No entanto, com a repercussão do caso, passou a circular na imprensa que a decisão de censurar o vídeo partiu de um pedido do CONAR (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária), que teria alegado que no clipe de Pabllo há anúncio de uma bebida alcoólica.

 

Após a polêmica, internautas decidiram criar uma petição para pedirem uma explicação ao YouTube e ao CONAR: "O clipe de 'Parabéns', lançado pelo cantor e drag queen brasileiro Pabllo Vittar, está sendo alvo de perseguição pelo CONAR. Existem diversos vídeos de outros artistas, majoritariamente heterossexuais, que contêm publicidade de marcas de bebidas alcoólicas (destilados) e que não foram notificados pelo CONAR. Exigimos, através desta petição, a retirada da restrição sobre o hit de Pabllo Vittar, pois o ato é visivelmente homofóbico. Caso contrário, que a restrição seja APLICADA A TODOS!", Informava um pedido na plataforma Avaaz.

 

Por outro lado, mesmo com todo o boicote nas rádios, TV e plataformas digitais, Pabllo Vittar segue sendo uma das artistas mais escutada e vista no Brasil, com repercussão mundial.

 

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS