CRIMES: CNJ faz relatório sobre Discriminação e Violência contra a População LGBTQIAP+

O instrumento de pesquisa tinha entre seus objetivos compreender como operadores do sistema de justiça e da segurança pública percebem a atuação do Poder Judiciário nesse tema

CRIMES: CNJ faz relatório sobre Discriminação e Violência contra a População LGBTQIAP+

Foto: Divulgação

 

Desde 2019, o Brasil registra crescimento de 19,6% no número de processos de crimes considerados discriminatórios contra a população LGBTQIAP+. No ano de 2021, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) realizou pesquisa para compreender as formas de violência sofridas pela comunidade queer que foram judicializadas.
 
O instrumento de pesquisa tinha entre seus objetivos compreender como operadores do sistema de justiça e da segurança pública, incluindo magistrados(as), promotores(as), advogados(as) e defensores(as) públicos(as), bem como delegados(as) de delegacias especializadas e comuns percebem a atuação do Poder Judiciário nesse tema.
 
Em 2022, o resultado da pesquisa foi apresentado no relatório Discriminação e Violência contra a População LGBTQIAP+ que está disponível para consulta on-line e download.
 
O documento evidencia os altos índices de violências e mortes no Brasil, tendo como mais frequentes os crimes de homicídio, injúria, lesão corporal e ameaça. Em aproximadamente 15% dos casos, há violência doméstica.
 
De acordo com informações do Fórum Brasileiro de Segurança Pública de 2022, a violência contra a população LGBTQIA+ apresentou significativo crescimento: 35,2% a mais de agressões; 7,2% a mais de homicídios e 88,4% a mais de estupros das pessoas identificadas como tais.
 
Demonstrando a importância em consolidar políticas judiciárias efetivas no campo penal que aprimorem a prestação jurisdicional voltada à parcela LGBTQIAP+, o CNJ tem atuado com vistas a garantir a uniformização e racionalização dos processos a fim de resguardar: o acesso à justiça por essa parcela da população, bem como a efetivação de seus direitos através de uma adequada prestação jurisdicional nas ações penais que envolvem motivação LGBTfóbica.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS