TRAGÉDIAS: BR 364 não pode continuar a ser essa fonte de notícias ruins para RO

Só na última sexta-feira(03), foram cinco mortes em dois acidentes diferentes em único dia

TRAGÉDIAS: BR 364 não pode continuar a ser essa fonte de notícias ruins para RO

Foto: Divulgação

Na última sexta-feira(04), a BR-364  foi palco de duas tragédias, infelizmente, anunciadas. Em dois acidentes, em pontos diferentes da estrada, cinco pessoas morreram e alguns ficaram feridos. Essas fatalidades mostraram a urgência na união entre Governo de Rondônia, Governo Federal, políticos, empresários e sociedade em geral para a duplicação da via.
 
 
No primeiro acidente, ocorrido nas primeiras horas da manhã, de sexta-feira, um ônibus colidiu de frente com um caminhão. Nesse acidente, morreram Orlando Schwantes, Divino Bispo de Souza e Ivanildo de Paula Ribeiro. Essa batida aconteceu no trecho da BR próximo à Presidente Médici.
A segunda colisão ocorreu, horas depois, a cerca de 70 quilômetros de Vilhena, quando faleceu o casal Fernando Machado de Lima e Eliézia, moradores da cidade de Chupinguaia, no Cone Sul de Rondônia. 
 
 
O Toyota Corolla deles, bateu de frente com uma carreta, ficando totalmente destruído. Nesta tragédia, quase que por milagre, se salvaram os dois filhos do casal, de 7 e 8 anos de idade, que não tiveram ferimentos graves. 
 
O casal Fernando Machado de Lima e Eliézia morreu na colisão, mas os dois filhos saíram ilesos na colisão do carro da família com uma carreta, próximo a Vilhena 
 
 
 
Os dois acidentes vão para a triste estatística de mortos em acidentes na BR 364 que, quase todos os dias, ceifa vidas, deixando famílias desestruturadas e órfãs.   
 
Terror
 
 
Para o jornalista Paulo Andreoli, que está acostumado a dirigir pela BR 364, a estrada se tornou um verdadeiro exercício de sangue frio, devido ao alto número de carretas que não respeitam os limites de velocidade e a falta de fiscalização por parte da Polícia Rodoviária Federal.
 
 
“Quer viver um dia de terror, dirija nessa estrada obedecendo o limite de 80 km por hora, para ver o que os caminhões fazem com você. Não respeitam ninguém porque não tem fiscalização. Virou uma terra sem lei”, disse.
 
 
A situação só evidencia a necessidade de toda a sociedade rondoniense se unir exigir a duplicação total dessa estrada, que é a principal ligação entre o nosso estado, Acre e Amazonas com o restante do país por terra. 
 
 
O asfaltamento da BR 364 ocorreu em 1983 e, naquela época, a população rondoniense era bem menor e a via atendia de forma satisfatória as necessidades da região. Hoje, o número de moradores aumentou, o de cidades também e a rodovia já não suporta o tráfego pesado e intenso.
 
 
Com vontade política é possível tirar da BR 364, o título, lamentavelmente justo, de ‘corredor da morte’. É passada a hora de colocarmos as disputas políticas em segundo plano e exigir do Governo Federal uma ação nessa estrada. Do contrário, teremos ainda, infelizmente, muitas histórias de tragédias para noticiarmos. Ninguém quer isso!
Direito ao esquecimento

Você concorda que quem não se vacinou deveria pagar mais impostos?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública!

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS