BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

CASA PRÓPRIA: Caixa prorrogará suspensão de pagamento de financiamento

A prorrogação será pelo prazo de quatro meses

CORREIO BRAZILIENSE

14 de Maio de 2020 às 10:10

Foto: Divulgação

 

CORREIO BRAZILIENSE - O presidente Jair Bolsonaro afirmou na manhã desta quinta-feira (14) que a Caixa Econômica prorrogará para 4 meses o período de pagamento de parcelas de financiamento da casa própria. A fala foi feita na saída do Palácio da Alvorada. Segundo o chefe do Executivo, ele e Pedro conversaram hoje pela manhã para tratar do assunto. Bolsonaro completou que cerca de 2,3 milhões de clientes da Caixa já pediram para pausar a cobrança do financiamento imobiliário.
 
“Tem uma notícia na mídia agora que eu liguei para o Pedro Guimarães para saber se era verdadeira. Era mais grave do que eu tinha lido. 2,3 milhões cliente da Caixa pediram para pausar o crédito. Ou seja, como regra, a Caixa permitiu o atraso por dois meses, depois prorrogou para mais 3 meses. E nessa prorrogação, 2,3 milhões ou seja num universo de 5 milhões, não têm dinheiro para pagar a prestação da casa própria. E o Pedro Guimarães, conversei com ele agora, em comum acordo, ele disse que vai aumentar para 4 meses porque não adianta apenas prorrogar  se o elemento que perdeu o emprego, teve o salário reduzido, não tem como pagar a prestação da casa própria. O que está sobrando de dinheiro para ele, está sendo para comida”.
 
Em março, o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, anunciou que clientes com financiamento imobiliário poderiam solicitar um adiamento de até três meses no pagamento das mensalidades.
 
O presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar medidas tomadas por governadores. Na saída da residência oficial, ele afirmou que o lockdown (que impõe medidas ainda mais restritivas) é “o caminho para o fracasso”. “Lockdown é o caminho do fracasso… quebrar o Brasil. Governadores e prefeitos, façam como fiz no passado, ‘se desculpa’ e ‘faça a coisa certa'”. “O Brasil está quebrando e, depois de quebrar, como alguns dizem, a economia não recupera”, concluiu. 
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS