BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

SEM ÔNIBUS NA CAPITAL: Trabalhadores permanecem em greve e podem pedir demissão coletiva

O prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves (PSDB), afirmou que a responsabilidade do caos que se tornou o transporte público na cidade é das gestões anteriores

DA REDAÇÃO - João Paulo Prudêncio

16 de Janeiro de 2020 às 11:48

Foto: Divulgação

Motoristas e cobradores de ônibus do sistema de transporte público coletivo em Porto Velho que estão de greve desde o último sábado (11) se reuniram na manhã desta quinta-feira (16) na sede do sindicato da categoria para deliberar sobre as propostas apresentadas pelos gestores da empresa responsável pela gerência do serviço na cidade.

 

Propostas de pagamento

 

A empresa de transporte apresentou duas propostas para que os trabalhadores retornem aos seus postos, a primeira foi o pagamento da cesta básica e vale alimentação do mês de janeiro na próxima quarta (22), o adiantamento de 40% do salário de janeiro no próximo dia 31, o pagamento das férias vencidas para o dia 05 de fevereiro, os outros 60% do salário no dia 15 de fevereiro, além do parcelamento em seis vezes do salário de dezembro, restantes das cestas básicas em atraso e o décimo terceiro, com a primeira parcela dia 15 de março.

 

Como segunda proposta também foi apresentado pela empresa o pagamento do décimo em duas parcelas, com a primeira sendo paga nesta sexta (17), o adiantamento do salário de janeiro no dia 10 de fevereiro e o pagamento do restante do salário dia 20 de fevereiro, e o restante dos atrasos parcelados em seis vezes com pagamento da primeira parcela também para o dia 15 de março.

 

 

Contraproposta

 

Nenhuma das opções foram aceitas na integralidade pela categoria, que está analisando uma contraproposta para apresentar em uma reunião frente à Justiça do Trabalho durante esta tarde.

 

As informações coletadas pela reportagem dão conta de que caso não seja aceito pela empresa a proposta dos trabalhadores, eles deverão pedir demissão coletiva.

 

O Fato é que a cidade de Porto Velho completará hoje o sexto dia sem nenhum ônibus coletivo nas ruas.

 

O prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves (PSDB), afirmou que a responsabilidade do caos que se tornou o transporte público na cidade é das gestões anteriores.

 

Confira vídeo:

 

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS