BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

HOMENAGEM: Wanderson vai ser eternizado em estátua no Aglair Tonelli pelo União Cacoalense

De acordo com Wesley Dias, Wanderson tem um papel fundamental na história do União Cacoalense

FUTEBOL DO NORTE

18 de Junho de 2020 às 09:59

Foto: Divulgação

O União Cacoalense pretende homenagear o volante Wanderson com uma estátua pelos serviços prestados ao clube ao longo dos anos. A informação foi confirmada ao site Futebol do Norte pelo presidente da Raposa da BR, Wesley Dias.

"Ele foi nosso jogador misterioso. A volta dele para o União foi para trazer a marca do clube vitorioso que o União consistiu. A estátua dele será feita mesmo se o time não for campeão, mas queremos o título para que ele possa ser eternizado pois será o único tricampeão do União e ela será colocada no estádio Aglair Tonelli", revelou.

De acordo com Wesley Dias, Wanderson tem um papel fundamental na história do União Cacoalense. "Pelo seu histórico no clube de campeão e é ídolo da torcida Raposa da BR. E com certeza irá encerrar sua carreira onde começou a escrever seu nome na história do futebol que é muito vitoriosa", destacou.

Wesley Dias confirmou que, após o término do Estadual 2020, Wanderson fará parte do projeto futuro do União Cacoalense. "Quando fui contratar ele, conversamos bastante e ele sempre falou sobre o carinho que ele tem pelo União. E o clube vai dar esse suporte para ele após a carreira de jogador profissional e fizemos um planejamento juntos após a carreira para ele iniciar sua carreira como treinador aqui no União também nas categorias de base onde será nosso treinador no Sub-20 e auxiliar do profissional", acrescentou.

Aos 39 anos, Wanderson Pereira Rodrigues acumula passagens por diversas equipes como: Ariquemes-RO, Chapecoense-SC, Genus-RO, Grêmio Maringá-PR, Ji-Paraná-RO, JuventudeRS, Pelotas-RS, Prudentópolis-PR, Real Ariquemes-RO, São Luiz-RS, Ulbra-RO, Ulbra-RS, União Cacoalense-RO, Toledo-PR e VEC-RO. O jogador fez parte das duas únicas conquistas do União Cacoalense na história nos anos de 2003 e 2004. 

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS