ESPAÇO ABERTO: Pacientes oncológicos de Rondônia já podem escolher onde fazer cirurgias

ESPAÇO ABERTO: Pacientes oncológicos de Rondônia já podem escolher onde fazer cirurgias

Foto: Divulgação

JÁ ESTÁ VALENDO
 
O presidente da Assembleia Legislativa, Alex Redano (Republicanos) promulgou a Lei nº 5.335, de iniciativa do deputado Laerte Gomes (PSD) que assegura, ao paciente diagnosticado com câncer, o direito de consentir ou recusar, de forma livre, voluntária e esclarecida, o local de realização dos procedimentos diagnósticos, terapêuticos e atos médicos a serem realizados, no âmbito do estado de Rondônia.
 
OPTAR
 
Pela nova lei, é garantido ao paciente o direito de escolha da instituição de saúde do Sistema de Regulação da Rede Pública Estadual de Saúde (Sisreg), para às diferentes fases de tratamento.
 
TRATAMENTO
 
A Lei vale para procedimentos cirúrgicos, quimioterápicos e radioterápicos, garantindo liberdade e autonomia de escolha do local de tratamento, com fundamento no princípio da dignidade humana.
 
TEM MAIS
 
Também conforme a Lei, é dever das instituições de saúde habilitadas em oncologia no âmbito do estado de Rondônia, oferecer tratamento oncológico com profissionais especializados com Registro de Qualificação de Especialista (RQE) em oncologia e garantir atendimento em período integral durante todos os dias da semana, com serviço de atendimento de intercorrências ambulatoriais relativas ao tratamento oncológico.
 
ADAPTAÇÃO
 
A partir de agora, fica estabelecido prazo de 90 dias para a adequação das unidades de saúde habilitadas em oncologia. Além disso, as deliberações dispostas na Lei nº 5.335, devem ser incorporadas, de maneira imediata, no Plano Estadual de Oncologia sendo que passou a vigorar na data de sua publicação no Diário Oficial da Assembleia Legislativa de Rondônia.
 
CALADO
 
Para o deputado Laerte Gomes, apesar dos benefícios da Lei, é lamentável o fato do Governo ter silenciado sobre uma propositura de tamanha relevância.
 
VALIDADE
 
Laerte enfatiza que já que o governador não sancionou a Lei, a Assembleia promulgou e agora é oficial . O deputado aponta que se algum paciente não for atendido por meio do Sisreg, deve procurar o Ministério Público e demais órgãos de controle.
 
INSISTÊNCIA
 
O prefeito de Nova Mamoré, Marcélio Brasileiro, que também é Secretário Geral da Associação Rondoniense dos Municípios ( AROM ) disse em Brasília, que as pautas defendidas na marcha dos prefeitos devem ser contínuas. 
 
 
LEGALIDADE
 
Marcélio aponta que a Constituição de 1988 nivelou todos os municípios por igual, no entanto todas as cidades são prejudicadas por uma discrepância liderada pelo próprio Governo Federal.
 
DISTRIBUIÇÃO
 
O prefeito de Nova Mamoré explica que a União fica com 55% dos tributos federais, os estados com 25% e sobram somente 20% para os municípios, que são quem mais sofrem com as necessidades da população.
 
 
SURREAL
 
Marcélio diz que as cidades estão perto dos problemas e longe da solução. Ele defende a implementação imediata do Pacto Federativo para atender realmente, e de fato, as necessidades dos municípios.
 
IMPOSTOS
 
O prefeito destaca que a Reforma Tributária seria fundamental para atender as necessidades de cada cidade. Ele diz, inclusive, que chegou a fazer um livro sobre o assunto. 
 
PESQUISA
 
O prefeito afirma que a obra é resultado de 30 anos de pesquisa. Marcélio diz que desde a Constituição de 1988 até 2018, analisou os desencontros e incongruências do gerenciamento dos recursos públicos, chegando ao entendimento  que a reforma tributária é essencial para as cidades.
 
FEMINICIDIO
 
Diferente do que algumas pessoas possam imaginar, a violência contra a mulher não é um tema dos dias atuais. Desde o começo da Era Cristã já se tinha conhecimento de preconceito e agressão contra o sexo feminino.
 
OBRA
 
NO livro “Elas Falam D+”, do jornalista e escritor Moisés Selva Santiago, ele conta a história de 181 mulheres da Bíblia. Muitas passaram por provações absurdas e preconceituosas.
 
 
ESTUDO
 
Após exaustiva pesquisa sobre as 181 mulheres encontradas na Bíblia, o autor  ressalta o universo em que viveram ao longo dos milênios. Família, casamento, adultério, prostituição, divórcio, mono e poligamia são alguns dos temas que se mesclam nas diferentes formas de violência contra as mulheres - que se perpetuaram até nossos dias.
 
DEFINIÇÃO
 
Na obra, Moises também destaca o significado dos nomes das 181 mulheres, e o quanto suas estórias estão relacionadas ao Antigo e Novo Testamento, ao mesmo tempo em que isso pode estar relacionado com a atual situação vivenciada pelo sexo feminino.
 
ONDE ENCONTRAR
 
Quem se interessar pelo livro pode procurar o jornalista Moises Santiago na agência dos correios da Sete de setembro, na capital, ou então acessar o site da Editora CRV, de Curitiba.
 
BANNER LANCHE
Direito ao esquecimento

Em qual desses quatro pré-candidatos você votaria se as eleições fossem hoje?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública!

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS