BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

ESPAÇO ABERTO: O mau exemplo da Secretaria Estadual de Saúde em época de eleição

Confira a coluna de Cícero Moura

Rondoniaovivo

06 de Novembro de 2020 às 09:09

Atualizada em : 06 de Novembro de 2020 às 17:02

Foto: Divulgação

CALOTE
 
Trabalhadores da área da Saúde que prestaram serviço no Hospital de Campanha da zona Leste de Porto Velho estão cobrando da Secretaria Estadual de Saúde – SESAU, os pagamentos pelos serviços prestados. 
 
UM MÊS
 
De acordo com os trabalhadores, eles teriam um mês de salário para receber. Com a redução de internação de pessoas infectadas por COVID-19 a unidade de Saúde emergencial foi fechada e os contratados dispensados.
 
PERIGO 
 
Os servidores afirmam que foram atuar na linha de frente da pandemia atendendo apelo do governo e na hora de receber os vencimentos teriam ficado de “mãos abanando”. Eles argumentam ainda que a SESAU não teria dado nenhum posicionamento sobre o pagamento. 
 
OUTRO LADO
 
A SESAU informou que a maioria dos servidores contratados de forma emergencial trabalharam de três a quatro dias no começo do mês e a folha de pagamento não tem como pagar dias por conta do sistema. A dispensa ocorreu no começo do mês de outubro.
 
PAGAMENTO
 
Ainda, de acordo com a SESAU, os trabalhadores irão receber os dias trabalhados nas verbas rescisórias. A SEGEP (Superintendência Estadual de Gestão de Pessoas) seria a secretaria responsável pelo pagamento. A nota não diz quando o pagamento será feito.
 
ENGODO 
 
O curioso nessa história é que houve liberação de milhões de reais para combate ao coronavírus e isso inclui profissionais para atuar na linha de frente. E também por conta da pandemia, os estados estavam liberados para exceções em pagamentos de despesas decorrentes da pandemia.
 
BOI DORMIR
 
Essa conversa de seguir transmites de recebimento de verba rescisória me parece, além de desrespeito com quem correu inúmeros riscos, uma maneira de prorrogar uma conta que já deveria ter sido paga.
 
DISPENSADOS
 
O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) orienta, por meio do Plano de Segurança Sanitária, que eleitores e mesários diagnosticados com o novo coronavírus nos 14 dias anteriores às eleições municipais não compareçam para votar. A medida tem o intuito de combater a propagação do vírus durante o pleito eleitoral, que será realizado no dia 15 de novembro.

SINTOMAS
 
Com isso, quem for diagnosticado com a doença a partir do dia 1 de novembro ou tiver febre no dia da votação não deve comparecer à zona eleitoral ou
trabalhar como mesário. A orientação consta nas normas eleitorais por meio da Resolução 23.631, de 2020.

MEDIDAS

No dia da eleição, será obrigatório o uso de máscara facial pelo eleitor, para que possa entrar e permanecer na seção eleitoral. A medida também vale para os mesários, que, além das máscaras, utilizarão face shields (protetores faciais).
 
MEDIDAS 2
 
Nas seções eleitorais, haverá álcool em gel para higienização das mãos e álcool líquido para higienização de superfícies e objetos, com exceção da urna eletrônica, que só pode ser higienizada por técnicos especializados.
 
JUSTIFICATIVA
 
O Tribunal Superior Eleitoral esclarece que o eleitor que tiver o diagnóstico positivo para o novo coronavírus poderá justificar sua ausência às urnas por esse motivo, porém o prazo para justificativa é de 60 dias após a data da eleição. Ou seja, o eleitor tem até o dia 14 de janeiro de 2021 para realizar o recurso.
 
NÃO COMPARECIMENTO
 
O eleitor faltante poderá comprovar a ausência também nos cartórios eleitorais, no Sistema Justifica e pelo e-Título. Já o mesário que não puder comparecer à seção eleitoral deverá comunicar o fato à sua zona eleitoral o quanto antes, para que seja possível providenciar a sua substituição. Caso não comunique a ausência e não apresente o motivo de ter faltado ao trabalho, também estará sujeito a multa.
 
FIM DA ANGÚSTIA
 
Em menos de 3 horas de publicação da reportagem do Rondoniaovivo, o jovem Tiago Martins Magalhães, 29 anos, entrou em contato com a família. O rapaz conversou com a mãe que logo em seguida fez postagem nas redes sociais.
 
VIAJANDO
 
De acordo com amigos, Tiago informou que estava em outra cidade, sem revelar onde, e que passava bem. Ele teria dito que vai ficar um tempo fora de Porto Velho para organizar sua vida pessoal.
 
CONHECIDO 
 
Tiago é filho do Delegado da Polícia Civil de Rondônia, Everaldo Castro Magalhães. Conheço esse rapaz. Ele é tranquilo, de pouca conversa e não costuma entrar em confusão. Desejo que organize suas coisas de forma serena e retorne logo para junto de sua família.
 
SUJEIRA
 
É impressionante a sujeira existente na água que está chegando para os moradores do distrito de Rondominas, região de Ouro Preto do Oeste. Eles dizem que já procuraram a Caerd, mas o problema nunca teria sido resolvido.
 
REGISTRO
 
A população enviou vídeos e fotos para o Rondoniaovivo comprovando a situação. É possível constatar a sujeira em vários recipientes abastecidos com água da torneira.
 
 
MAIS DE ANO
 
Os moradores da localidade afirmam ainda que o problema ocorre há mais de ano. Quem não tem poço  artesiano estaria tendo que comprar água para consumir. Já o banho tem que ser com a água suja fornecida pela Caerd.
 
OUTRO LADO
 
O presidente da Caerd, José Irineu, disse que não sabia do problema no distrito de Rondominas. Ele não falou se fará algo para resolver.
 
EFICIÊNCIA
 
Me considero um jornalistas bastante crítico. Entendo que é obrigação do jornalista saber escrever, portanto sou obrigado a reconhecer quando cometo um desatino.
 
EFICIÊNCIA 2
 
Recebo muito texto de assessoria com verdadeiras aberrações. Faço a edição e resolvo o que está incorreto, mas às vezes algumas coisas passam e tenho que ser responsabilizado pelo descuido.
 
EFICIÊNCIA 3
 
Luís Carlos, leitor atento, me mandou print de um tópico que publiquei com erro de ortografia. A palavra houve, no sentido de haver, é com H, diferente do que foi publicado. Obrigado pela observação, meu caro Luís.
 
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS