CLEIDSON FREITAS: Exposição de 'nankins' destaca personagens da história de Rondônia

As obras com traços primitivistas de Cleidson mostram ícones da história de Rondônia, a exemplo de locomotivas das Estrada de Ferro Madeira-Mamoré e do Real Forte Príncipe da Beira

CLEIDSON FREITAS: Exposição de 'nankins' destaca personagens da história de Rondônia

Foto: Divulgação

O artista gráfico e ilustrador Cleidson Freitas, 34, nasceu na cidade de Cabixi [sul de Rondônia]. Mas foi em Vilhena — cidade-polo da região, onde ele mora — que revelou-se como chargista nas páginas de um jornal semanário, a 'Folha do Sul'. Depois, partiu para outros experimentos no mundo das artes visuais. Utiliza as mais variadas técnicas de desenho e pintura, inclusive a digital.
 
Agora, depois de tantos trabalhos e um percurso de anos de estrada, Cleidson está de volta às raízes, apresentando trabalhos feitos à mão, com 'nankin' — um tipo de tinta que era onipresente nos estúdios e agências de publicidade antes da invasão dos computadores e softwares próprios para desenhistas, engenheiros e arquitetos.
 
 
 
Cleidson apresenta sua primeira exposição individual, titulada 'Nankin - Nosso Legado', com o olhar ancestral e carregado de nostalgia; foi inaugurada dia 7 de julho e encerrará em 2 de agosto, das 14h às 22h, no Espaço Cultural 'Marechal Rondon'. A entrada é franca. O evento é parte da programação do 5º Sicoob Sabor — Festival Gastronômico de Vilhena.
 
As obras com traços primitivistas de Cleidson mostram ícones da história de Rondônia, a exemplo de locomotivas das Estrada de Ferro Madeira-Mamoré e do Real Forte Príncipe da Beira. Contudo, o destaque fica por conta dos pequenos retratos estilizados de personagens históricas e contemporâneas do Estado.
 
Trajetória
 
Desde muito menino, Cleidson se interessou por desenho artístico ao observar sua mãe ("uma pedagoga muito amorosa", como ele a define) a criar os cartazes, de modo artesanal, para a congregação religiosa que ela fazia parte. Surgiram os primeiros riscos descoordenados de uma criança de seis anos.
 
E Cleidson não parou mais. Amadureceu de forma autodidata. Atingiu um alto nível sem nunca ter tomado lições de técnicas artísticas. Os materiais utilizados - tudo, desde o início - representaram uma saga, "com tentativas, erros e acertos incessantes", para o seu aperfeiçoamento.
 
O líder indígena Almir Suruí 
 
Foi na sala de arte-final do jornal em que trabalhou durante três anos que se interessou por softwares de edição e se tornou também designer gráfico. A partir da mescla da língua portuguesa com os conhecimentos em artes que adquiriu, ao longo desta trajetória de estudo e trabalho, obteve o status de consultor para o desenvolvimento de marcas no mercado local, redator de publicidade e ilustrador das mais diversas publicações.
 
O artista está cursando o último período do curso superior de Letras, cujo tema de sua monografia é seu próprio livro de poesia infanto-juvenil ilustrado, que será lançado em 2023.
 
AUTOR DO TEXTO: JÚLIO OLIVAR
Direito ao esquecimento

Com a chegada de Ivo Cassol, em quem você votaria para o Governo de RO?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública!

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS