GRUPOS: Polícia abre inquérito para investigar 15 pessoas por apologia ao nazismo

De acordo com a delegada, cerca de cinco páginas de Facebook são investigadas pela polícia

GRUPOS: Polícia abre inquérito para investigar 15 pessoas por apologia ao nazismo

Foto: Divulgação

 

A Polícia Civil do Rio Grande do Sul instaurou, na última segunda-feira, um inquérito para investigar 15 pessoas suspeitas de apologia ao nazismo. Os crimes, segundo as autoridades, teriam sido cometidos pelas redes sociais em grupos e fóruns fechados. A notícia é do jornal O Globo.
 
— Aparentemente essas pessoas não levantam suspeitas. Algumas, inclusive, são servidoras públicas, algumas sequer se identificam como nazistas. — disse a delegada Andrea Mattos, da Delegacia de Combate à Intolerância, responsável pela condução do caso. 
 
Parte dos investigados seriam ligados a uma banda de rock, que, segundo a polícia, difunde ideias antissemitas, racistas, homofóbicas e misóginas em suas músicas e shows. A identidade dos investigados não foi revelada pelas autoridades para não prejudicar o andamento do inquérito. 
 
A denúncia chegou a Polícia Civil através de um dossiê feito pela equipe do vereador Leonel Radde (PT-RS), eleito este ano para o cargo de deputado estadual. 
 
— É uma banda relativamente conhecida, que já foi investigada. Eles fizeram novos conteúdos e reativaram canais que estavam desativados. — relatou Radde, ressaltando a presença de outro grupo na denúncia, que teria atuação semelhante a de uma gangue. 
 
De acordo com a delegada, cerca de cinco páginas de Facebook são investigadas pela polícia. Grupos no Telegram e no Discord, uma rede voltada para games, também estão no inquérito. Há ainda um fórum na ‘deep web’, como é conhecido o imenso conjunto de páginas na internet que não podem ser acessadas pelos buscadores tradicionais, como o Google. 
 
Segundo Andrea Mattos, um dos investigados é ligado a organização Nova Resistência Brasil. Trata-se de um grupo formado por adeptos do pensamento do filósofo russo Aleksander Dugin, apontado pela imprensa ocidental como um possível ‘guru’ do presidente russo Vladimir Putin. Nas redes, o grupo se descreve como nacional-revolucionário, trabalhista e nacionalista.
 
A Nova Resistência não se manifestou sobre o caso.
 
 
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS