VEÍCULOS: Operação da PF prende policiais e procura delegado que comandava quadrilha

Maioria dos integrantes da quadrilha era formada por policiais civis que estão na ativa. Delegado segue foragido

VEÍCULOS: Operação da PF prende policiais e procura delegado que comandava quadrilha

Foto: Divulgação

O delegado Rafael Lopes Azevedo, conhecido como “Tchô-Tchô”, ex-chefe da Delegacia Especializada ao Furto e Roubo de Cargas (Depatri) e que teve sua prisão preventiva decretada pela Justiça, por meio da 2ª Vara de Tóxicos, Organização Criminosa e Lavagem de Bens e Valores, continua foragido. No entanto, a Polícia Federal conseguiu, nos últimos três dias, prender outros integrantes da quadrilha, em sua maioria formada por policiais. O caso aconteceu em Minas Gerais.
 
 
O policial fugitivo é procurado pela Operação Terceiro, realizada pela Força Integrada de Combate ao Crime Organizado (FICCO), comandada pela Polícia Federal (PF) e composta pelas polícias Militar, Civil e Penal. Algo em torno de dez integrantes da quadrilha já estão presos, segundo apurou a redação.
 
 
A última prisão foi de um policial que trabalha dentro do Detran e é considerado o operacional da quadrilha comandada pelo delegado “Tchô-Tchô”. Tal homem seria o responsável pela lavagem de dinheiro do grupo de criminosos.
 
 
Já se sabe também que o grupo está envolvido em outras atividades, todas ligadas a fraudes em veículos, que teriam tido início a partir da nomeação de “Tchô-Tchô” para a Delegacia de Furtos de Veículos da Polícia Civil.
 
 
Inquéritos e investigações
 
 
Além disso, existem inquéritos e investigações iniciadas pela Polícia Civil envolvendo integrantes desse grupo.
 
 
“Tudo isso, deve-se destacar, revela certa negligência na atividade de Delegado de Polícia que preside inquérito policial, indo ao encontro de tudo o que foi apurado pela FICCO no sentido de oferecimento de vantagem aos policiais”, diz trecho da decisão judicial.
 
 
Conforme a FICCO-MG, “a organização criminosa ainda contaria com o auxilio de terceiros e empresas para ocultar os proveitos da corrupção, valendo-se das sociedades empresárias para beneficiar Rafael Lopes de Azevedo".
 
 
Ainda de acordo com a Justiça, Azevedo também prestaria uma espécie de consultoria a aliados e se escondeu na casa de outro investigado para se livrar de uma operação na qual era alvo de ação cautelar.
Direito ao esquecimento

Quando você acha que a área da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré será liberada ao público?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública!

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS